MJ escolhe o diálogo: Agentes prisionais podem suspender a greve

27/05/2013 01:02 - Modificado em 27/05/2013 01:02
| Comentários fechados em MJ escolhe o diálogo: Agentes prisionais podem suspender a greve

dialogo1Os agentes prisionais anunciaram a intenção de realizar uma greve de quatro dias no mês de Junho, na medida que o Ministério da Justiça não está a honrar o compromisso de atender às reivindicações dessa classe. Mas, ao que parece, o MJ decidiu regressar à mesa das negociações para resolver a situação e evitar que os agentes abandonem o serviço para protestarem a favor dos próprios direitos.

 

A Associação dos Agentes de Segurança Prisional de Cabo Verde, o Sindicato que representa os trabalhadores e o Ministério da Justiça estiveram reunidos em assembleia para discutir assuntos relacionados com o anúncio dos agentes prisionais: realizar uma greve entre os dias 3 e 6 de Junho, visto que o MJ não está a honrar com o compromisso acordado em 2012, quando a entidade patronal prometeu atender às reivindicações desses profissionais.

A reunião cujo objectivo seria a procura de consensos para evitar a paralisação dos trabalhos teve a mediação da Direcção-geral do Trabalho, mas o certo é que a mesma foi inconclusiva. As partes envolvidas devem voltar à mesa das negociações nesta segunda-feira, 27, apesar do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio e Serviços (STCS) representante dos agentes prisionais, querer que até ao dia 31 de Maio as negociações estejam concluídas.

Resolução

Depois de afirmar que os agentes prisionais não têm razões para recorrerem à greve, Jacob Vicente, director-geral dos Serviços Penitenciários e de Reinserção Social sublinha que da parte do Governo há toda a abertura para dentro do quadro legal se negociar e evitar a greve.

Jacob Vicente salienta que uma equipa técnica interministerial está a trabalhar no processo para a implementação de uma nova grelha salarial e que quanto ao gozo de férias acumuladas, até ao mês de Agosto de 2013 todos os guardas prisionais vão ter a sua situação de férias regularizada nos termos da lei.

 

Reivindicações

Para além dessas duas reivindicações da classe, os agentes prisionais exigem o recrutamento de novos agentes, o pagamento de horas extraordinárias, a nomeação dos agentes formados desde 2005, fardamento e transporte.

Claudino Tavares, presidente da Associação dos Agentes de Segurança Prisional – AASP assegura que são estas as reivindicações e acrescenta que da parte dos trabalhadores há também abertura ao diálogo para se encontrar a melhor solução para evitar a greve.

 

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.