Os mitos que nos estragam a vida amorosa!

14/05/2013 11:52 - Modificado em 14/05/2013 12:15
| Comentários fechados em Os mitos que nos estragam a vida amorosa!

Por vezes, as ideias feitas que temos sobre o que é uma relação perfeita acabam por não nos ajudar… Descubra quais são os mitos que andam a estragar-lhe a vida… sentimental. Você reconhece-se em alguma destas situações?

homem-e-mulherVai mudar por amor – Capacite-se: ele até pode fazer um esforço nos primeiros cinco minutos, mas mais do que isso é demais para qualquer pessoa. E não é que não esteja interessado, mas a personalidade não se muda como quem muda de camisa. Se lhe calhou um furacão na rifa e você é mais de brisas de primavera, aceite o furacão ou troque-o por um vento mais levezinho.

– Se  gosta de mim, vai ficar comigo – Se ele já anda consigo há 5 anos e nada de qualquer coisa mais sólida, rife-o imediatamente. Nem mais um minuto para o patronato. Arrisca-se a engonhar até ele ter 54 e decidir de repente que de quem ele gosta mesmo é daquela prima xoninhas com 18 anos que encontrou no Festival de Gastronomia de Castro Verde.

– Comigo vai ser diferente – Claro que toda a gente pode ter uns desaires na vida, mas observe como é que foram as relações anteriores dele. Se a mais longa durou dois meses, prepare-se para ser o próximo ‘usado do mês’.

– Os outros acham que é um idiota, mas comigo é um amor – Não é que desate a viver em função dos outros, mas preste atenção à opinião alheia. Se as suas amigas TODAS acham que ele é um traste, se calhar vale a pena pensar se é mesmo a pessoa indicada para si.

– Ele não é insuportável, é apenas complicado – Errado. O insuportável, na maioria das vezes, não esconde mais nada. É pura e simplesmente insuportável. Não tem fundos falsos. Mesmo que os tiver, não valem o sacrifício. Acabamos por cair na esparrela de achar que, se uma pessoa que não gosta de ninguém gosta de nós, é porque devemos ser mesmo especiais. Errado. Às tantas só está consigo porque é a única que o atura. Não queira ‘aprender a lidar’ com um insuportável: geralmente é do estilo que não dá nada em troca e nos deixa esgotadas de energia psíquica. Se ele é insuportável, que aprenda a ser suportável antes de voltar a falar consigo.

– Ele não demonstra, mas no fundo é muito carinhoso – Quais ‘no fundo’. Por amor de Deus. Se não demostra, é porque é bruto como as casas e não a merece. Se você lhe dá beijos apaixonados e ele protesta ‘ai que me sujas a camisa toda de baton’, vá sujar a camisa a outro capaz de retribuir a sua paixão.

– Estou demasiado apaixonada para me libertar dele – Já nos estamos a ver muito desgraçadinhas num cruzamento com a tabuleta da razão a apontar para um lado e a do coração a apontar para o outro, que é outra maneira de dizer que não nos apetece nada fazer o que tem de ser feito. Vem-nos logo o Romeu e Julieta à cabeça e achamos que ser infeliz é muito mais dramático e interessante do que simplesmente acabar com tudo e ir ser feliz para outro lado. Mas raciocine: se a paixão é destrutiva, o que é que a faz gostar dele? Não se explica? Engano. Tudo se explica. Podemos é não querer ouvir. E não se vai ‘libertar’ de coisa nenhuma: ele não a tem presa…

– Já estou muito habituada a ele – Engano. Habituadas estamos à nossa mãezinha, e dela é que não podemos separar-nos. O que acontece é que há poucos exemplares da raça, ou pelo menos poucos exemplares que se possam apresentar à avó, e eles já se habituaram a ter o harém aos pés. A questão é, queremos mesmo fazer parte do harém?

Os homens são todos iguais – Não é verdade. É verdade que andaram todos na mesma escola, mas tiraram daí lições muito diferentes. Da próxima vez, escolha um que tenha aprendido a lição decentemente ou goste de aprender.

 

 

Ler mais: http://activa.sapo.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.