Willy desapareceu há 11 anos: Rapto? Venda? onde está o rapaz?

13/05/2013 01:36 - Modificado em 13/05/2013 01:36

meninoWilly desapareceu há onze anos. O menino, que na altura tinha seis anos, sumiu sem deixar rastos. A PJ que tomou o caso nunca encontrou pistas do garoto. E a sociedade nunca entendeu como uma criança pôde desaparecer de uma ilha sem deixar rastos e muito menos o silêncio das autoridades. O certo é que o silêncio caiu sobre Willy e pergunta ficou sem resposta : onde está Willy?

 

 

O pai de Willy resolveu quebrar o silêncio num momento em que é arguido no caso “Lancha Voadora”. Numa altura em que os seus caminhos e os dos agentes da PJ se voltam a se cruzar quando existem contas do passado por acertar que podem ter sido trazidas para o presente.Jacinto sempre achou que PJ não fez nada para encontrar o seu filho e hoje acha que PJ muito vez para o tentar implicar no processo “Lancha Voadora”.

 

Há onze anos que Jacinto Mariano, cidadão constituído arguido no processo “Lancha Voadora” vive um drama que não se apaga da sua memória: o desaparecimento do seu filho, William Mariano, conhecido por “Willy”. Jacinto salienta que o desaparecimento de “Willy” continua a ser um mistério e defende que o filho foi raptado mas que a PJ arquivou o caso sem realizar qualquer investigação.

 

No dia 4 de Março de 2002, Jacinto Mariano recebeu a notícia de que o seu filho William Mariano, de seis anos, tinha desaparecido na zona de Chã D´Alecrim, ilha de São Vicente quando brincava com um grupo de crianças. Mariano realizou diligências para encontrar a criança mas não conseguiu descobrir o seu paradeiro, por isso, denunciou o caso à Polícia Judiciária.

Jacinto diz não entender a razão que determinou o desaparecimento do filho “o meu filho vivia com a mãe em Ribeirinha e ia visitá-lo à casa da minha ex-companheira. Só que num fim-de-semana levaram-no para o bairro de Ribeira Funda, em Chã D´Alecrim. Ele saiu à rua para brincar e foi raptado por alguém; agora não entendo porque levaram o Willy e as outras crianças ficaram, talvez porque ele era desconhecido nesse local”.

O entrevistado sublinha que efectuou buscas em vários bairros da ilha e que ao encontrar dificuldades para descobrir o paradeiro do filho, dirigiu-se à Polícia Judiciária para solicitar meios para que fosse realizada uma investigação.

Mas Jacinto Mariano afirma que com o passar dos dias, a PJ meteu o caso do desaparecimento de William nos arquivos. “Vivo um drama porque raptaram o meu filho e estou à 11 anos à espera que a Polícia Judiciária me diga qual foi o resultado da averiguação que fizeram à volta do desaparecimento do meu filho. É certo que até hoje ele continua desaparecido e a PJ nada fez”.

Mariano salienta que durante muito tempo esteve em contacto com o Departamento da Polícia Judiciária em São Vicente para saber das diligências realizadas para descobrir o paradeiro de William. E que ninguém lhe apresentou uma decisão, mas que agora que foi à Praia por causa de um processo judicial encontrou um dos inspectores que esteve à frente do caso.

“Ele disse-me que o caso nunca foi averiguado de forma aprofundada porque transferiram-no para a cidade da Praia, por isso, não conseguiu fazer nada. Disse-lhe que nunca fizeram nada, pelo que não são volvidos mais de dez anos que irão fazer alguma coisa.

  1. Elsa

    Porque nao divulgar um foto da crianca por esse Facebook? Nunca vi uma materia sobre um crianca desaparecida sem uma foto que prestasse.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.