Despacho emitido pela direcção da UNICV sobre os exames deixa alunos insatisfeitos

30/04/2013 01:00 - Modificado em 30/04/2013 01:00

Protesto no ex-Isecmar faz professores cancelarem os examesO conselho directivo do Departamento de Engenharia e Ciências do Mar (DECM), face as reivindicações exigidas pelos alunos do polo em São Vicente, decidiu, por via de despacho, oficializar o regime de exame único, tendo no mesmo documento, deliberado o plano de execução das provas. Os alunos, perante esta decisão, manifestam o seu descontentamento e afirmam que, caso não seja resolvido a situação, vão sair às ruas, com uma nova onda de protestos.

Anteriormente a esse despacho, a DECM já havia emitido uma resolução onde a taxa das propinas foi reduzida para quinhentos escudos, ficando a mesma restrita aos alunos com propinas em atraso. Uma “infracção” que veio restringir ainda mais os direitos conferidos aos alunos, ficando estes com mais uma sobretaxa por pagar:

“Essa penalização veio recair sobre os alunos que pagam 900 escudos por cada mensalidade de propina liquidada fora do prazo. Perante isto pergunto se não estaremos de novo perante uma situação irregular de dupla penalização”, questiona Adalberto Silva, estudante do segundo ano do curso de Engenharia de Máquinas Marítimas e um dos porta-vozes da manifestação.

Quase dois meses após início dos protestos levados a cabo pelos alunos do polo de São Vicente concernentes ao regulamento das propinas e emolumentos, o conselho directivo da Universidade emite “Esta decisão de repetição dos exames e não consulta os alunos para decidir qual o melhor período para se fazer esses exames”, defende Silva.

Consta do Despacho Reitoral número 037 –GAB.R\13 “os procedimentos a seguir e as listas deexames/estudantes que se qualificam para a repetição”, sendo que “os exames decorrerão, de acordo com calendário a indicar oportunamente, na semanade 27 a 31 de Maio de 2013”. Sobre esta decisão, Silva afirma que“o Conselho Directivo deverá ponderar a data mais conveniente para a repetição dos exames”.

“Se antes o aluno tinha exame de 1ª chamada, 2ª chamada e recurso, com o alargamento das oportunidades, o aluno passa a ter um único exame que apelidaram de 2ª chamada sendo que hoje tens de pagar para o fazer”, afirma Silva, em nota deliberativa enviada ao conselho directivo como forma de manifestar, em nome dos alunos daquele polo educativo, a desilusão sentida pelos mesmos relativamente às decisões tomadas por aquele conselho. Continua Silva, referindo-se na nota, que se trata de mais uma tentativa de “restringir os alunos”. Ainda em relação ao alargamento,“antes tínhamos dez dias depois do fim de mês para pagar a propina sem multa, hoje devemos paga-la até o dia 30 de cada mês sem um único dia de atraso”, realça.

  1. Alex

    isto é, de novo, quem pode fazer os exames so serao os alunos que tinham pago a taxa e nao conseguiram fazer os outros exames por causa do barulho e tenham escrito o nome numa lista de reclamaçao quando sairam da sala.

  2. fernando fortes

    O que é que esse alunos querem
    O ensino superior não faz parte do ensino obrigatório.
    Tem custos que toda a sociedade e a ajuda internacional ajuda-nos a pagar.
    Não temos condições, nem podemos dar ao desbarato, o que os que nos ajudam não dão aos seus.
    É preciso começarmos a compreender as coisas.
    Esse nível de exigências não rpode ser aceite.Que façam greves e tudo mais o que quiserem.O país não pode aceitar esse tipo de chantagem.É preciso firmeza de quem dirige e ordem.

  3. zemas

    agora e começar a baixar pau nesses macacos, o ensino tem os seus custos em tudo quanto e lado do mundo, partem para o ensino profissional, deixem-se de palhaçadas, já estamos cansados dessa vossa palhaçada, pau neles.

  4. YannickRocha

    Quando és 1 ignorante na materia é melhor “fechar a boca para que não entre mosca”.
    FERNANDO FORTES E ZEMAS

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.