O casamento faz bem à saúde

28/04/2013 21:38 - Modificado em 28/04/2013 21:38
| Comentários fechados em O casamento faz bem à saúde

casamentoQuem está a pensar casar tem a ciência do seu lado: cada vez mais estudos descobrem que ser casada é bom para tudo, porque nos dá literalmente uma vida nova.

 

Se um novo remédio tivesse o mesmo impacto no casamento, todos os médicos do país o recomendariam”, defendeu o médico Stephen Bogdwic, professor de medicina de família na Universidade de Indiana. “Todas as evidências provam que a sexualidade, a intimidade, o amor e o casamento são fantásticos para a nossa saúde.”

A afirmação não acrescenta nada de novo ao que todos os casais (os felizes, pelo menos) têm comprovado . Durante mais de 100 anos, as pesquisas em todo o mundo demonstram que as pessoas casadas, tanto homens como mulheres, vivem mais anos do que as solteiras. Um estudo recente, que reuniu cinco pesquisas, mostrou que o nível de mortalidade é 18% mais baixo para os casados do que para os solteiros.

Outro estudo americano concluiu que há mais mortalidade entre os viúvos (39% mais), os divorciados (27%) e os que nunca se casaram (39%) do que entre os casados.

 

Alguém com quem partilhar a vida

Portanto, ao contrário do que defendem os solteiros, a ciência está do lado de quem pretende casar, defendendo que homens e mulheres lucram com isso.

Ter alguém com quem partilhar preocupações sociais e financeiras é, especialmente em tempo de crise, uma mais-valia. Os casais também tendem a ser mais saudáveis porque ambos se ‘monitorizam’ um ao outro, ou seja, ambos se preocupam com a saúde um do outro.

Na base está a ideia universalmente aceite de que somos animais sociais, ou seja, somos mais felizes se tivermos relações significativas com outras pessoas. Nenhum médico afirma que não se pode ser feliz solteiro, mas quase todos são unânimes em decidir que, se conseguirmos arranjar alguém que nos apoie, que nos compreenda, que nos dê a certeza de ocuparmos um lugar especial no seu coração (e que, se possível, ajude a pagar a renda da casa), a nossa satisfação com a vida e o mundo em geral tende a aumentar.

Um estudo publicado na revista Science afirma mesmo que ter más relações sociais – seja um mau casamento, falta de amigos ou ninguém com quem desabafar – é tão mau para a saúde como o tabaco…

 

Casar é bom para os homens….

O estilo de vida também parece melhorar com o casamento. O consumo de álcool, por exemplo, desce a pique nos primeiros anos de casamento, e mantém-se baixo. Deixar de fumar é que parece que só afecta os homens: as mulheres casadas continuam a fumar tanto como fumavam antes do casamento, se calhar porque os homens não protestam tanto que têm a casa empestada…

A única desvantagem (meninas não leiam esta parte, se faz favor) é aquela que já estão a adivinhar. Pois é: as nossas avós tinham razão, e o casamento é mesmo mau para a linha. Tanto homens como mulheres tendem a engordar, não só porque se organizam mais para fazerem refeições em conjunto mas também porque passam mais tempo à mesa, e têm menos tempo para ir ao ginásio.

De maneira geral, os homens casados têm menor probabilidade de morrerem vítimas de qualquer causa e um risco duas vezes menor de morte por acidentes e suicídios (pois, é mais difícil morrer com alguém no banco do lado a dizer – Ó Zé, põe o cinto de segurança. Ó Zé, não andes tão depressa. Ó Zé, cuidado, não atropeles o polícia).

 

Quanto às mulheres, depende…

Quanto às mulheres, a coisa pia mais fino: serão mais saudáveis no casamento apenas se este for um casamento feliz… Ou seja, para as mulheres, a sua saúde depende da saúde do casamento.

As mulheres em casamentos felizes são mais magras, engordam menos ao longo dos anos e têm níveis de colesterol mais baixos, defende a investigadora americana Linda Gallo, da Universidade de Pittsburg, autora de um estudo sobre saúde feminina.

Não se trata de nenhuma magia. Segundo a investigadora, “A ligação afectiva é uma necessidade básica do ser humano. Ser casada ou ter uma relação com alguém é uma parte importante da nossa vida. Quando é uma boa relação, não apenas nos torna mais felizes como também nos torna mais saudáveis. Talvez as pessoas façam exercício juntas, talvez se sentem para jantar com calma.”

De qualquer maneira, os maridos continuam a tirar mais benefícios do casamento do que as mulheres, por uma razão simples: muitas vezes, a mulher é a única relação afectiva do marido, enquanto as mulheres têm geralmente redes afectivas mais alargadas e não dependem tanto do casamento para serem felizes.

Ou seja: os homens tiram benefícios do casamento, quer este seja feliz quer não. As mulheres, apenas se a relação as satisfizer. Razão: um artigo publicado no site www.webmd.com afirma que os homens e as mulheres são mais felizes quando passam tempo… com mulheres. Ou seja, tempo passado com os homens não reduz o sentimento de solidão, e quando precisam mesmo de apoio afetivo, tanto os homens como as mulheres procuram uma mulher como ombro amigo.

 

Uma questão de estatuto

Então, porque é que as mulheres lucram com o casamento? Principalmente porque se sentem mais seguras e mais apoiadas. Por outro lado, a maioria das mulheres quer ter filhos, e continuam a considerar uma relação a dois, seja casamento ou união de facto, como o melhor ambiente para criar uma criança. E, ainda, ser casada continua uma forma de se ter estatuto social…

De qualquer maneira, afirma Linda Gallo, estes estudos não devem servir para que toda a gente vá a correr dizer ‘sim’ ao primeiro que lhe aparecer. “Há muitas mulheres solteiras perfeitamente felizes, com amigos e carreira profissional. Muitas delas têm tudo o que as casadas têm. Mas ser casado continua a levar o selo de aprovação social, e para algumas mulheres isso é importante.”

Ou seja, case-se se encontrar a pessoa com quem possa construir uma relação feliz, e provavelmente terá uma vida longa e mais saudável. Mas é mil vezes preferível ficar solteira do que ter um casamento infeliz…

 

 

activa.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.