Trabalhadores da fábrica Euroáfrica recorrem a justiça para reaver 6900 contos

18/05/2012 00:45 - Modificado em 18/05/2012 00:38
| Comentários fechados em Trabalhadores da fábrica Euroáfrica recorrem a justiça para reaver 6900 contos

O Sindicato da Indústria, Comércio e Serviços, representante dos 197 funcionários da fábrica Euroáfrica irá interpor um a providência cautelar contra a unidade fabril. A decisão da SICS surge no âmbito de uma dívida no valor de 6.900 contos com que a fábrica tem como os operários. A verdade é que os operários da unidade fabril não recebem o seu salário desde do mês de Fevereiro. 

 

Os trabalhadores da fábrica Euroáfrica vivem em situação de penúria há três meses. Desde do mês de Fevereiro que os responsáveis da unidade fabril não arcam com as responsabilidades quanto ao pagamento dos salários aos 197 operários, que compõem o colectivo de trabalhadores. Para reverter a situação, o sindicato que representa os operários decidiu que irá interpor uma providência cautelar contra a fábrica Euroáfrica.

O Sindicato da Indústria, Comércio e Serviços irá recorrer ao Tribunal de São Vicente, no sentido de reaver os 6.900 que a fábrica deve aos operários. Segundo Virtulino Castro, do SICS “o nosso advogado está a preparar o processo cautelar que será remetido ao tribunal, como forma de salvaguardar os interesses dos trabalhadores da Euroáfrica. Queremos que a situação seja resolvida em tempo útil e breve para que cada operário receba o seu salário”.

Para resolver o impasse na fábrica Euroáfrica, o SICS tentou dialogar com os responsáveis da unidade fabril, porém esta tentativa fracassou e os trabalhadores continuam a mercê da sua sorte. Foi nessa linha que o Sindicato da Industria, Comércio e Serviços pôs de lado as negociações e agora irá entregar a acção judicial e esperar por um decisão do Tribunal de São Vicente.

De recordar que esta não é a primeira vez, que os trabalhadores da fábrica Euroáfrica exigem o pagamento dos seus salários. Já em 2011 passaram alguns meses a trabalhar sem remunerações, mas depois os responsáveis da fábrica solucionaram o problema efectuando o pagamento dos salários.

 

Dívidas

 

Por outro lado a fábrica Euroáfrica que começou a funcionar em São Vicente, no ano de 2002 poderá ter os seus dias contados. Já que para além da dívida 6.900 contos aos seus operários, o Tribunal de São Vicente mandou arrestar todos os bens e contas bancárias da empresa com base numa providência cautelar interposta pela INPS.

A juíza Circe Neves deu provimento a essa providência cautelar, porque o INPS reclamava uma dívida na ordem dos 25 mil contos. Bem como emitiu uma alerta aos portos e alfândegas, no sentido de impedir a saída por via marítima de quaisquer equipamentos da unidade fabril na cidade do Mindelo. Mas ainda, na lista das dívidas a empresa deve 650 contos à Electra e 90 contos à CV Telecom.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.