Alunos do ex.ISECMAR trocam os autocarros por bicicletas

26/04/2013 00:31 - Modificado em 26/04/2013 00:31

BicicletaCom a subida do preço dos bilhetes, andar de transporte público tornou-se num “luxo” para muitos alunos da Universidade de Cabo Verde (UNICV) , ex.ISECMAR ,que todos os dias se fazem à estrada da Ribeira de Julião em alternativa aos transportes colectivos. Uma prática que já se tornou recorrente naquela via de acesso à Universidade. Para quem passa, poderá notar a presença cada vez mais constante de alunos que percorrem o caminho a pé ou de bicicleta e, de quando em vez, de boleia.

 

Este trajecto já se tronou numa “praxe”, sobretudo para os estudantes vindos de outras ilhas como Santo Antão e Santiago que dizem poupar nos transportes para poderem cobrir despesas mais urgentes como a casa e a alimentação. O trajecto fica pelos 6 quilómetros para quem vem do centro da cidade e com a tabela de preços actuais, um passe custará aos alunos maiores de 18 anos, a quantia de dois mil, quinhentos e trinta escudos por mês: 280 escudos a mais, com a alteração dos preços fixada pela Agência de Regulação Económica, (ARE).

 

“Deixei de fazer o passe a partir do momento em que aumentaram o preço dos bilhetes. Não tenho condições para cobrir as despesas de transporte quando tenho necessidades mais urgentes como as propinas, a casa e a alimentação”, refere Hamilton Pires, estudante do segundo ano do curso de engenharia. Leniro Ramos que frequenta o primeiro ano do curso de Ciências Náuticas e Pilotagem diz que a escola deveria “entrar em acordo com a transportadora a fim de diminuírem o preço dos passes” tendo em conta o valor “elevado das propinas que têm que pagar na Universidade “tratando-se de uma escola pública”. Continua o estudante, dizendo que todos os dias faz o percurso de bicicleta para a escola e que, apesar de ver esta alternativa como a mais “viável em termos de poupança”, ela pode também ser um constrangimento tendo em conta o cumprimento do horário das aulas e a respectiva segurança, “com o perigo que aquela estrada representa”.

 

Por sua vez, Samuel Duarte, estudante do primeiro ano do curso de engenharia civil, argumenta que prefere recorrer à bicicleta, porque “fica mais em conta. Em vez de pagar toda a quantia em transporte público, prefiro obter uma bicicleta e o dinheiro que gastaria no passe, é revertido para outras coisas de maior necessidade”.

 

“Quando comecei a estudar na UNICV ainda tinha 18 anos e, por isso, ainda podia pagar a taxa mais baixa para estudantes que na altura era de mil e setecentos escudos. Logo a seguir, deixei de usufruir desse desconto e com mais esse aumento, ficou agora impossível andar de transporte público” afirma Alberto Gomes, estudante do segundo ano de engenharia civil que todos os dias faz o percurso a pé ou de bicicleta.

  1. Carlos Silva - Ralão

    Para além de poupar dinheiro de autocarro, é uma opção inteligente e muito salutar, o ser humano tem essa capacidade de se adaptar a qualquer situação adversa. Não esqueçam de levar na mochila sempre uma banana e água, como forma de repor líquido e energia, contribuindo assim, ainda, para uma boa disposição na assistência das aulas.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.