Funcionária dos TACV impede passageiros de viajar apesar do OK do Serviço de Fronteira

16/05/2012 00:59 - Modificado em 16/05/2012 00:50

Quatro marítimos cabo-verdianos, com visto “Shenguen” no passaporte, foram impedidos de viajar com destino à Bélgica por uma hospedeira de terra no aeroporto do Sal. Além de perderem a ligação com os barcos onde deveriam ir trabalhar, vão ter agora de viajar para países como Taiwan ou Austrália, aumentando substancialmente os custos de viagem.

 

 

Os quatro marítimos ligados à companhia Marlow Navigation, com sede no Chipre e escritórios em Roterdão – Holanda, deveriam viajar do Sal para a Bélgica no voo JAF 6052 da JET AIR FLY, acabaram retidos no aeroporto Amílcar Cabral.

Uma hospedeira da TACV, que presta serviço no Sal a essa companhia aérea JET AIR FLY, não fez o “check in” aos referidos passageiros argumentando que o visto SHENGUEN emitido pela embaixada da França na Praia não lhes dava direito a entrar na Bélgica, a sede da União Europeia. Assim conta um dos marítimos chamado Benvindo, que juntamente com os companheiros, já está em Roterdam, depois de viagem via Portugal.

Eduardo outro dos marítimos cabo-verdianos, disse à RCV que a própria Policia da Fronteira no Sal alertou a hospedeira, Sandra da Cruz, que a documentação estava em ordem e que podiam seguir viagem com destino a Bruxelas.

Humberto Lopes, responsável pela contratação de mais de duzentos marítimos cabo-verdianos na companhia Marlow Navigation, a qual administra mais de mil embarcações, disse à RCV que está em curso um processo de queixa contra a hospedeira que prestou serviço à companhia JET AIR FLY. Na entrevista, Lopes realçou que mais de sessenta marítimos de cabo verde já viajaram nas mesmas condições, com o mesmo tipo visto e documentação.

Os quatro marítimos que deveriam viajar do Sal no dia 12 passado, Benvindo, Eduardo, Abel e Eleutério, perderam a ligação com os navios a partir de Roterdam, e agora vão ter de viajar para Taiwam ou Austrália, com elevados custos adicionais à operação.

  1. odju aberto 100%

    Porque que o Sr jornalista não procura se informar com a embaixada sobre os vistos, os TAcv pagam avultados valores por erros da Nossa policia Fronteira, como por exemplo vistos (passaportes falsos ), é perguntar a embaixada de França ou tb a propria fonteira quantos paasgeiros são impedidos de entrarem por problemas com o visto.

  2. Kon Fu Se

    Ela deve ser loira! 🙂

  3. Djon de Paiol

    Se a estória está bem contada, a companhia em causa deve pagar sem discutir as indeminizações e depois ver com a funcionária. Porque terá ela ignorado o esclarecimento feito pela Polícia de Fronteira. Acho que o jornalçista deveria ouvir a versão da hospedeira, pois toda a estória tem pelo menos duas e com pontos de vista diferentes.

  4. malaguitinha

    a tacv no seu melhor

  5. Anonima

    Sandra Cruz nao è funcionaria dos TACV mas sim da AAS

  6. jorge gusmão

    esse jornalista deveria informar melhor antes de publicar uma noticia! a dita hospedeira não é da TACV mas duma empresa que presta serviços aos voos charters! é por essas e por outras muita informação não é fiavel!

  7. Nando da Cruz

    Se Sonia è de TACV, ou não, ca è importante. Importante è qe TACV È MESMO UM VERGONHA!!!!!!!!!!!!

  8. sergio gomes

    eu nao me entendo qual e a razao,que os meus companheiros,nao seguirem essa viagem,onde que eu ja fiz essa viagem e com mesmo visto de shenguen e nao tive nenhuma problema,na fronteira de bruxelas,a nossa terra,so querem criar difilculdades aos maritimos.mais isso acontese so em cabo verde se e visto shenguen pode entrar na belgica ainda por cima nos os maritimos de andamos com uma carta de companhia.

  9. eduardo monteiro

    Alguém de direito deveria abrir um inquérito, para apurar responsabilidades. pelo prejuízo causado aos marítimos cabo-verdianos, pelo que diz o Sr. Sérgio Gomes não deixa duvidas que foi incompetência da funciónária dos TACV

  10. paula

    também queria saber tudo sobre visto SHENGUEN emitido na consulado de potugal, se é possivel entrar em bruxelas antes de entrar em Portugal e essa é uma coisa que ele têm de explicar os passageiros porque os bilhetes sao comprados com dinheiro e depois nao entregam o dinheiro de volta

  11. da luz

    Eu quero saber o que é que entendes do trabalho da policia de fronteira.? pq é q não colocam funcionarios capacitados para fazerem esse tipo de trabalho…..TACV É UMA VERGONHA…….

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.