Leva cidadãos ao banco dos réu

17/04/2013 00:17 - Modificado em 17/04/2013 00:17

palacio justiçaEstá a decorrer no Tribunal da Comarca de São Vicente, o julgamento de um grupo de indivíduos residentes na zona de Campim acusados dos crimes de roubo e de tráfico de estupefacientes. Por outro lado, os arguidos estão a ser indiciados também de serem os autores do assalto ao estaleiro da empresa de desmantelamento de navios, Desindava.

O 2º Juízo Crime procedeu ao julgamento de 15 cidadãos com idades compreendidas entre os 19 e os 47 anos que estão arrolados a um processo-crime, onde o Ministério Público acusa três dos indivíduos que cumprem prisão preventiva, da prática de crimes de roubo e de furto qualificado.

De realçar que um dos detidos, um pescador de 27 anos, responde ainda pelo crime de tráfico de estupefacientes e posse de armas. Quanto aos arguidos que aguardavam o julgamento em liberdade, nove respondem por furto qualificado e três por receptação de produtos com proveniência ilícita.

Roubo

Mas o maior peso da acusação recai sobre um homem de 30 anos tido como o cabecilha do grupo e que responde de crimes de roubo contra residências e pessoas. Assalto a um cidadão na zona de Campinho na companhia de dois comparsas que se encontram em prisão preventiva, de roubo a duas mulheres na Praça Estrela, de roubo de uma máquina fotográfica e de assalto em duas residências.

Tráfico de estupefacientes

Por seu lado, um cidadão de 27 anos está detido na Cadeia Central por suspeitas de tráfico de droga, detenção de armas e está ainda arrolado no assalto de um cidadão em Campinho. Questionado pelo juiz acerca da apreensão de uma quantidade de 364 gramas de marijuana e de 8,6 gramas de haxixe na sua residência, o suspeito traficante declarou que seria para consumo próprio, num período de duas semanas.

Mas o magistrado impugnou o depoimento do arguido referindo que o senso comum demonstra que essa quantidade é “demasiada para ser consumida nesse período”. Porém, o suspeito manteve a sua tese mas, o juiz considerou-a “incoerente” e apelidou o arguido de “herbívoro, por alimentar-se apenas de marijuana”.

Furto qualificado

Por outro lado, os cidadãos acima referidos que estão na prisão juntam-se a nove moradores da zona de Campinho acusados de furtar ferro e equipamentos utilizados pela empresa Desindava. De acordo com o Ministério Público, há indícios que os doze indivíduos furtaram materiais a essa empresa que estava instalada no cais da ex-Onave para desmantelar os navios, Jenny, Soncent e Viana.

Os metais foram vendidos a um sucateiro, de nacionalidade ganesa que se dedica à candonga do ferro na ilha de São Vicente. O cidadão está a ser acusado de um crime de receptação desse metal que era comprado a oito escudos/kg. Sublinha-se que o Tribunal interrogou todos os arguidos e marcou para sexta-feira a audição das vítimas e testemunhas arroladas ao processo.

  1. Dje Guebara

    Que por favor sejam mais profecionais em as noticias e nas imformações sobre estes gatunos,porque cada um deles tem seu nome verdadeiro e não de individios ou cidadãos.Que por favor ponham-se os nomes deles para que cada pessoa sabe defender-se de essos laràpios.
    Desde da Florida:Dje Guebara.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.