Carta aberta exige “eleições limpas” na Venezuela

12/04/2013 00:51 - Modificado em 12/04/2013 00:51
| Comentários fechados em Carta aberta exige “eleições limpas” na Venezuela

PoliticaLíderes políticos e de opinião da América Latina pedem garantias formais.

 

Centenas de líderes políticos e de opinião da América Latina assinaram uma carta aberta endossada à Comissão Nacional Eleitoral venezuelana pedindo garantias formais de que foram tomadas medidas e consagradas as “condições mínimas” para que o acto eleitoral de próximo domingo possa ser considerado “transparente, livre e justo”.

 

A ingerência de líderes internacionais em eleições externas é muito pouco habitual, e segundo os signatários da carta só se justifica pela vinda a público de informações que apontam para a possibilidade de fraude na votação presidencial deste domingo e de irregularidades no funcionamento do sistema eleitoral – na semana passada, por exemplo, um membro do Governo gabou-se publicamente de ter acesso ao código secreto de programação de milhares de máquinas de votação electrónica. Garantindo o “apoio da comunidade internacional democrática” ao processo eleitoral venezuelano, a carta – assinada por nove ex-Presidentes e mais de 350 parlamentares de treze países da região – pede às autoridades eleitorais que certifiquem que todos os procedimentos que garantem umas “eleições limpas” foram respeitados na campanha e durante a votação.

 

O documento fala em coisas como o “acesso e uso equitativo dos meios de comunicação e recursos institucionais” na fase da campanha e posteriormente; o uso de tinta “verdadeiramente indelével” nos boletins em papel ou a cessação do chamado “Plano República”, que pôs os militares a distribuir e recolher o material eleitoral. Após a divulgação da carta aberta, mais de 200 personalidades e organizações políticas e cívicas associaram-se à iniciativa.

 

 

 

publico.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.