alunos querem intervenção do Ministro do Ensino Superior

8/04/2013 00:45 - Modificado em 8/04/2013 00:45
| Comentários fechados em alunos querem intervenção do Ministro do Ensino Superior

unicvOs estudantes da Universidade de Cabo Verde, UNICV, em reunião este sábado, dia 7, discutem da situação actual dos alunos e pedem a intervenção do Ministro do Ensino Superior junto do conselho administrativo da Universidade. Irregularidades no cumprimento dos regulamentos e alta taxa de propinas são as principais reivindicações que pretendem ver solucionadas.

“Vamos enviar uma carta ao Ministro do Ensino Superior a explicar os motivos do nosso protesto, a reivindicar os exames que temos direito de fazer porque muitos ainda não o fizeram e correm o risco de ficarem retidos”, diz Nuno Fonseca, um dos porta-vozes do protesto. A carta seguirá ainda esta semana acompanhada por um abaixo-assinado “porque até à data de hoje ainda não ouvimos o ministro pronunciar-se de forma concreta sobre o assunto”.

Fonseca fala sobre as irregularidades das políticas administrativas da escola e a violação dos direitos dos alunos que constantemente vêm sendo atropelados pela gestão incoerente dos processos normativos da Universidade. “A deliberação 010 que fala sobre a tabela de emolumentos e propinas, desde que foi aprovada, já sofreu modificações três vezes” tendo sido alterado o valor das propinas de dois para mil escudos. Entretanto, diz Fonseca, essa taxa, não deveria abranger o ano lectivo vigente, conforme consta no documento colocado para consulta pública na Universidade. “Há qualquer coisa que não está a bater certo. Foi uma gafe cometida pela própria Universidade, portanto, pedimos que assumam o erro e aprovem o exame gratuito”. As irregularidades continuam, quando baixam as propinas de 1000 para 500 o que “para além de violar os regulamentos, traduz-se numa forma camuflada de nos obrigar a pagar”, assevera o estudante daquela universidade.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.