15 Boas razões para ter sexo

10/06/2013 00:21 - Modificado em 10/06/2013 01:13
| Comentários fechados em 15 Boas razões para ter sexo

casalA verdadeira revolução sexual passa-se no nosso corpo, no nosso cérebro. A tal química do amor não é só metáfora: ela existe. De cada vez que fazemos sexo – sobretudo com alguém que é afectivamente muito importante para nós – ficamos mais felizes, os nossos ciclos corporais equilibram-se, os músculos tonificam-se e até ficamos mais bonitas! Há lá exercício físico melhor ou antidepressivo mais eficaz?! Confira, já a seguir, aquilo que o sexo pode fazer por si.

1 Torna-nos mais bonitas

Já ouviu com certeza alguém dizer–lhe: ‘Estás com uma pele óptima! Tens namorado novo?’ Diz-se que quando as pessoas estão apaixonadas e a vida sexual fica mais quente também a pele fica mais lisa e suave, mais bonita. Parece que a ciência o confirma. A razão prende-se com o aumento dos níveis de estrogénio, hormona que contribui para a produção de colagénio, que, por sua vez, melhora a saúde da pele. O aumento da circulação sanguínea durante o acto sexual também aumenta a irrigação na pele e no cabelo – que, como não são órgãos vitais, vão para o fundo da lista na hora de receber nutrientes essenciais.

2 Queima calorias

Dizem os pesquisadores do Hospital das Clínicas de São Paulo, Brasil, que uma relação sexual queima, em média, entre 100 e 150 calorias, o equivalente a 20 minutos de caminhada vigorosa. Mas os mais resistentes e fogosos podem queimar 300 em sessões longas de sexo selvagem (ou seja, mudem de posição, não se fiquem pelas mais cómodas, como a do missionário). Quer melhor maneira de perder uns quilos?

3 Tonifica o corpo

A prática regular (e vigorosa) de sexo é um exercício tão bom como uma aula de aeróbica ou de GAP (glúteos, abdominais e pernas) para fortalecer os músculos das nádegas, coxas e barriga. Pelo menos é o que a Dr.ª Claire Bailey, da Universidade de Bristol, diz. Além disto, ainda pode melhorar-nos a postura. E, diz a boa doutora, não há perigo de sobredosagem. Ufa! Ainda bem…

4 Combate a celulite

Se está preocupada com o facto de, durante os momentos de intimidade, ele lhe olhar para as coxas e dizer: ‘Querida, estás crivadinha de celulite!’, pense que a maioria dos homens não repara nisso: estão mais concentrados na ‘grande Cruzada pelo orgasmo’. Como se isso não fosse suficientemente reconfortante, saiba que o acto sexual estimula a circulação linfática e ajuda o corpo a livrar-se das toxinas e a drenar aquelas que provocam a celulite. Toca a adelgaçar!

5 É amigo do coração

Durante a actividade sexual a circulação sanguínea é activada e o coração trabalha mais depressa. As pulsações passam de 75 batimentos por minuto para 150 no momento do orgasmo. Feito com regularidade, o sexo pode mesmo ajudar na luta contra as doenças de coração. Um estudo da Queens University, em Belfast, Irlanda do Norte, descobriu que os homens que faziam sexo três ou mais vezes por semana reduziam para metade o risco de sofrerem ataques cardíacos e acidentes vasculares cerebrais. Mas atenção, cardíacos: têm de ser mais contidos nos esforços amorosos.

6 Apura o olfacto

O mesmo estudo conclui que depois do orgasmo o corpo produz a hormona prolactina, que induz as células estaminais do cérebro a desenvolverem os neurónios da parte do cérebro que controla as informações olfactivas. Ou seja, ficamos mais sensíveis aos aromas. O que se torna uma pescadinha-de-rabo-na-boca: os cheiros são muito importantes na nossa vida afectiva e até na estimulação do desejo sexual.

7 Aumenta as defesas

O sexo (seguro, claro!) até pode fortalecer o nosso sistema imunitário. A revista americana ‘Forbes’ cita um estudo da Wilkes University, na Pensilvânia, EUA, onde os investigadores descobriram que as pessoas que faziam sexo pelo menos uma ou duas vezes por semana tinham níveis 30% superiores de imunoglobina A, um anticorpo que protege contra os vírus da gripe e da constipação.

8 Liberta o stresse

Músculos doridos, cérebro cansado, aquela sensação desesperante de que o tempo nos foge… o stresse vai-nos minando por dentro. E a última coisa que apetece é chegar a casa e ainda nos arrastarmos até à cama para uma sessão de sexo selvagem… ou mesmo manso. Convenhamos… a Supermulher não existe. Mas durante o fim-de-semana aproveite para dormir até mais tarde e começar o sábado com uns beijos e carícias (que rapidamente se podem transformar em mais do que isso), seguidos de um retemperante pequeno-almoço. Até porque o sexo é mesmo um antídoto natural para o stresse, minimiza a ansiedade e tranquiliza-nos. Durante o orgasmo, o corpo produz substâncias que ajudam a relaxar (aquela sensação boa de languidez que dá depois do sexo). Além disso, é uma óptima maneira de se livrar de todas as tensões negativas e frustrações acumuladas (Freud explica…).

9 É antidepressivo

O sexo promove uma química cerebral propícia à felicidade. Durante o orgasmo libertam-se neurotransmissores, como as endorfinas, famosas pela sensação que nos dão de felicidade e euforia, e a oxitocina, que promove sentimentos de afecto e união. Se elas não ajudarem a combater a depressão, nada mais o fará. Além disto, o psicólogo norte-americano Gordon Gallup conduziu, em 2002, um estudo com 293 mulheres onde descobriu que aquelas cujos parceiros não usavam preservativos eram mais resistentes à depressão. A explicação pode ter a ver com a presença da hormona prostaglandina no sémen: ela pode ser absorvida pelo nosso sistema reprodutor e mexer com a mecânica hormonal feminina, que nos faz ter altos e baixos de felicidade.

10 Aviva a memória

Quatro investigadores do National Institute of Aging e da Universidade de Georgetown, nos Estados Unidos, descobriram que a memorização de palavras é mais fácil às mulheres porque está ligada à produção regular de estrogénio, que é maior no sexo feminino. Atrás, vimos que a actividade sexual regular aumenta e equilibra a produção desta hormona. Por isso, quando fazemos sexo estamos a aumentar as nossas capacidades de memorização de palavras. Será que é por isso que também dizem que gostamos mais de falar?

11 Ajuda a dormir

Depois do orgasmo, aparece uma sensação de relaxamento e languidez, a diminuição da tensão e até alguma sonolência. Nada melhor para dormir um sono descansado e acordar cheia de energia do que uma noite de amor a todo o gás.

12 Aumenta a fertilidade

A médica norte-americana Winnifred Cutler descobriu que ter sexo pelo menos uma vez por semana – e nunca menos – ajuda a equilibrar o nosso sistema endócrino e a regularizar o ciclo menstrual feminino de uma forma natural, estabelecendo-o em 29,5 dias. Isto torna a mulher mais fértil e contribui para a sua saúde hormonal. A investigadora diz que isto acontece especialmente em casais monogâmicos, que têm sexo com uma periodicidade mais regular. É preferível ter sexo apenas uma vez por semana do que de uma maneira irregular, pois isso contribui para uma desregulação hormonal nada benéfica.

13 Alivia a dor

Durante um orgasmo, são libertadas endorfinas que agem como analgésicos naturais produzidos pelo corpo e nos dão uma sensação de bem-estar e prazer. Daí que o sexo possa ser uma boa razão para aliviar sintomas de dor, da artrite à vulgar dor de cabeça (acabaram-se as desculpas, meninas…).

14 Melhora a auto-estima

Esta, todas nós sabemos sem precisarmos de estudos elaborados. Quando sabemos que somos desejadas, que alguém nos ama, que conseguimos levar esse alguém ao sétimo céu, sentimo-nos mais atraentes, absolutamente capazes de tudo. As relações duráveis dão-nos uma maior estabilidade emocional e mais confiança. E quando gostamos mais de nós também temos mais para dar aos outros.

15 Fortalece a relação

É certo que o sexo não é tudo numa relação e que os problemas não podem nem devem ser resolvidos na cama… ou acabarão por ficar assim mesmo: por resolver. Mas sexo é, acima de tudo, partilha de vontades e ideias, expressão de emoções, química e alguma ousadia. Não há casal que resista a uma vida sexual entediante. A norte-americana Lou Paget, conselheira sexual e autora de vários best sellers sobre o assunto, confirma que o sexo pode ser uma experiência em que a sensação de união chega a atingir contornos espirituais. ‘Alguma vez sentiu tanta afinidade emocional com a pessoa com quem está, depois de terem feito amor ou durante um orgasmo, que fica com a sensação de que tudo o que a rodeia desaparece? Muitos de nós têm a recordação de uma experiência como essa quando a sexualidade nos transportou a outro plano.’ Está na altura de se teletransportar até essa dimensão, tal como o Capitão Kirk de ‘O Caminho das Estrelas’.

 

 

 

 

 

Ler mais: http://activa.sapo.pt

 

 

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.