ONG condenada a pagar 37 mil contos e a reintegrar os trabalhadores

26/03/2013 01:01 - Modificado em 26/03/2013 01:01

bornefonden cvBoa notícia: A Organização Não-governamental dinamarquesa, Bornefonden terá que arcar com as suas responsabilidades pelo despedimento de um grupo de trabalhadores na cidade do Porto Novo. Os dez funcionários recorreram a justiça e volvidos cerca de quatro anos, o Tribunal deu-lhes a razão e ordenou que a Bornefonden lhes pague 37 mil contos e que sejam reintegrados.

 

Foram cerca de quatro anos de angústia a clamar pela justiça, e dois anos a espera da leitura da sentença do processo onde os trabalhadores intentaram uma acção judicial contra a ONG dinamarquesa, alegando despedimento sem justa causa. E no final desta fase que decorreu em primeira instância, os anos de luta por parte desses cidadãos foram consagrados por um despacho judicial que valida a sua reivindicação.

Questionado sobre essa decisão do Tribunal, o secretário permanente do sindicato que representa os trabalhadores sublinha que o juiz aceitou as provas que confirmavam que a ONG não fechou as portas em Santo Antão, na medida que continua a desenvolver acções sociais na ilha.

Carlos Pio Correia, do Sindicato Livre dos Trabalhadores de Santo Antão afirma que “os trabalhadores estão satisfeitos com a sentença. Conseguimos provar ao Tribunal que a Bornefonden está a laborar em Santo Antão. Foi constatado no terreno que a ONG recrutou outras pessoas, da cidade da Praia para fazer a entrega dos donativos as crianças beneficentes”.

Punição

O entrevistado acrescenta que o Tribunal entendeu que a Bornefonden falhou no processo de despedimento dos trabalhadores, e com base nas provas condenou a ONG a reintegrar os mesmos, e a pagar os salários vencidos desde 2009, ou a indemnização pelo despedimento sem justa causa.

Carlos Pio Correia conclui dizendo que “nunca houve a extinção do Bornefonden, e por outro lado porque não houve uma conciliação com a Direcção Geral do Trabalho optaram por despedir os funcionários de forma ilegal. Mas acabaram por cometer falhas graves porque não encaminharam o processo para o Ministro da Tutela que teria que autorizar o despedimento”.

  1. SAO VICENTE

    Eu quero ver essa organizaçao arrumando as malas e dar milha desse pais, ai sim quero ver quem fica a ganhar, um grupo ou o pais.

  2. Carlos

    Que ministro de tutela???. Conhece alguma ONG ( Organização não Governamental) que esteja sob a tutela de algum ministro???. Quê isso senhor sindicalista! Pelo amor de Deus.

  3. Boise d' Soncente

    37 mil contos?? Bah ta bah…. bsot de troça e bsot trabaia.. agora é exige denher de un ONG.. e esse pessoal de sindicato é um bando de pessoas que nunca trabaia e estuda na ces vida, que sempre te feca te agi na sombra e te espera alguem das motivo pa parce…

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.