Nhô Ambroze – Soncente e História dum primer Revulçon

12/05/2012 00:00 - Modificado em 11/05/2012 23:08

Já naquês tempe antigue de povoamente d’Ilhas de Cab Verd, tava levantode problema se nôs Ilhas divia ser ô não povuode,pamode sês posiçon geográfeca, que nôs tude sabê, na zona de Sahel, linha de vente séc (Harmatão) binde de nordeste de deserte de Sahara e poc passaja d’humidade binde de leste pa oeste de continente africane, pamode quel macice de Fouta Djalon situode na área de Guinê ( René Dumont ) que sempre condenone a um cicle de regime sec sem tchuva, ás vez pa tcheu one.

 

Assim, pamode ês tal posiçon geográfeca de Cab Verd na mapa de munde, nô tive sempre na época grandes prublema de seca que levone tê crise de fome na terra que tchegá temá conta de tude nôs Ilha, sobretude, na ônes trinta, ondê que seca fui valente e, português antigue pove colonizador, nunca pude vencel e dzide tê cma ês procurá fui ignoral e bandonone na nôs triste sorte daquel sina de FOME.

 

Aliás Luis Romano, na sê livre “Famintos”ta relatá, cum grande força e sentimente de tristeza, tude quel situaçon de desgraça e sofrimente dum pove que foi bandônode na sê sorte, sobretude, naquês Ilha más agricula moda SanAnton, S.Ninclau e SanTiago.

 

Cma na vida ca tem causa sem efeite, enton na dia 4 de Junhe de 1934, pove de Soncente forte de promessa invão, de telegrama redigide na CMSV de tempe dum Presidente tchmode Sr. Borja (extraide de livre A Minha Vida de Donald Wahnon) que também era empregode d’Alfandega, ta pedi ajuda especial e rapte na governe mode problema de fome na terra.Pove c’fome na barriga ca queris sabê nem esperá pa más, log ês rancá c’sês bandera prête e sês primer grite d’Ypiranga.

 

Tude ês cosa cumeçá, moda tcheu gente antigue moda Nhô Pitra ma Nha Julia de Tine qu’um conchê de perte tchegá de contame. Já tinha uns dia c’aquel Bandera Prête tava estode ta parcê ta gorgoloteá na vente lá derriba na rotcha d’Olte Solarine, tê que naquel dia plumanhã de mês de Junhe, foi quel confirmaçon, sem inda mute gente sabê qsê c’aquel Grande Bandera Prête queria dzê.

 

Depôs, Bandera Prête de Fome foi rancode e dexi d’Olte Solarine pa Rebera Bote, ondê que valente e resolvide Capton Ambroze, na principe, seguide sô p’alguns pessoa c’sês Bandera na mon,bem ta dexi decidide,pa morada direçon  Cambra Municipal sempre  ta gritá:  –   FOME… FOME… FOME…

 

Pove poc a poc bai ta ganhá cunfiança e, pô ta sigui Nhô Ambrôze. Derapente, quel meia duzia de gente, vrá centena e cuntinuá t’ingrossá tê vrá mil e assim dês manera revulçon fui lançode. Enton, p’onze hora de plumanhã, home c’amdjer juntode, tchegá na morada c’força, decidide a resolvê sês grave prublema, que n´era nem más, nem menes du que “Fome na Barriga de Criston”.

 

Ondê que naquel dia, naquel momente, e naquel hora, Nhô Ambrôze  (Capitão Ambrósio) moda ta rezá quel poema de nôs grande e falecide poeta Gabriel Mariano, podia senhá ô pensá cma um dia pamode tal tmada de posiçon, el tava não sô passá ta fazê parte de História de Cab Verd, cma também ta ser primer “Home” revolcionare de nôs terra Soncente e, um motivador num futur não mute longe de Liberdade de tude um Pove sofredor que sempre vivê sô de promessa ma de esperança.

 

Nhô Ambrôze na tude sê simplicidade de carpinter quel era na época, home bastante humilde e honeste que tava ganhá sê vida c’grande dficuldade, quê traboi era poc, cunsigui c’aquel revoluçon, mostrá pove naquel tempe, e de certeza escontra sê vontade, cma Soncente já era um placa tornante de tude decison politca de nôs Républica de Cab Verd.

 

Depôs de tcheu tentativa de fazê tchegá n’uvide de quem de direite, tude reclamaçon ma quexa que tava fazê parte de miséria colective de tude quel pove e, cma depôs ca tive sucesse, enton  Nhô Ambrôze cumeçá ta falá daquel situaçon de miséria, ma tude sês compatriota quel pude, moda num espece de consciensalizaçon de massa. E, num de sês descurse escrite na livre “Mindelo D’Outrora” de Senhor Nena, aliás (Manuel Nascimento Ramos), slogan popular de Nhô Ambrôze,  quel espaiá pa rua de Soncente era simples :

 

–    Bocês Cmê Onte ma Onteonte? Resposta de Pove: – Não e Nô Ta C’ Fome!!!

–    Bocês tem trabaiode? Resposta de Pove:-  Diazá Nô Ca Trabaiá  Pa quê, Nô ta  Bandonode!!!

Exe triste palavra, tive log um forte impacte na mei daquel massa popular que levantá Bandera Prête de Fome no ar e rancá dalá c’aquel primer revulçon de história de Cab Verd, cum pove completamente desinfriode ta gritá:

 

–      Nô bai, nô bai, nô ba ranjá cmida, c’nôs mon, pa nô dá nôs fidje pas cmê!

Quê, exe gente grande de terra ta tude de barriga chei e ês tita marimbá na

nôs!

 

Orda cuntinuá ta passá de boca pa boca, Pove cada vêz más tcheu na ruas de Mindelo. Depôs, tude quel massa popular rumá pa armazem d’Alfandega que fui mitide porta dentre pa força de pove e, ês num fúria de matá num grite de ULI MIDJE, invadi e pô ta esvaziá quel armazem  de tude o que la dentre tinha e podia tem pas podia panhá moda: –  açucra, midje, cevada, fejon, farinha de trigue, batata, banha, mantega azete, etc.etc…, quê naquel momente de  revolta lassim lá ca tinha nem rei, nem roque.

 

Dês manera, cmida cumeçá log ta parcê pa tude banda na rua de tchon de Soncente. Naquel momente, era um ratchar de sóc, mnine c’gente grande juntode, cada um tava bem c’sês caneca, bolsa e tude o quês tava podê intchi pas levasse de cmida pa casa, quê na terra já ca tinha pobreza, ma sim miséria que já tava bem instalode na nôs Ilha.

 

Na mei de tude quel alvoroce, pove mostraba também sê lode bom de sempre, quê ês tava sirvi e levá pa casa, pas partilhá ma gente bedje e doente que ca tava podê partecipá naquel revolta. Naquel depressa, mute cmida fui levode e interrode la naquês areia de Tchã de Bombardera ma Lombe de Tanque.

 

E revulçon cuntinuá, quê pove depôs d’Alfandega ba rombá armazem de Nhô Alfrede Miranda ma Joaquim Branco na rua de Côque, mas cunchide pa Nhô Bronque. Nhô Bronque, ba tentá estorvá pove d’entrá na sê armazem, ês dal cum pau na cabeça dá ratchá,  el fui log levode pa Spital d’urgença.

 

Bonança cuntinuá na Pove, e lá ca tinha vindida nem comprada nada naquel momente, quê alvaroce era tão grande e quel Pove excitode só sabia gritá: – Moia…moia, bsote bem quê ês cosa ê moia pa tude gente!

 

Ma, moda num qualquer Revulçon nem tude cosa sempre foi rosa, sobretude naquel dia lassim. Quê depôs, bem quel grande ressaca de pliça de estaçon ma tropa de cortel (Fortim D’El Rei) que bem parcê e foi lá que cosa piorá, quonde Antone Grigola (pliça) qu’inda ‘m conché, mataba um mnine, sem querê, que ponta de sê baioneta quel tinha imbaínhode na cone daquêl sê espingarda antigue Lienfield, lá na ponta d’esquina de Loja de Nhô Alfrede Miranda.

 

Tropa bem da lá de Fortim d’El Rei, ondê q’era cortel militar, comandode pum tal sargente Ribeiro. Ês cumeçaba, pa trá tir pu’ar, depôs c’intençon de traba na Pove. Ma, foi lá, ê que bem parcê, Senhor Dator Regala, que dá tropa orda de dispersá, basse embora e entrasse pa cortel, geste esse que salvá quel pove assim dum verdader bonhe de sangue ô masscre.

 

Dator Regala, home de bem, querido de Pove, quel dia lassim, também fecá na História de nôs terra, quê el era contra violência e amigue de sê Pove.

 

Assim, cma naquel dia el salvaba Pove daquel massacre que tropa podia ter fête, el pediba tmabém sê pove, pas ca mataba Rufino qu’era chefe de pliça na época (moda ês contame) que pove já tinha cumeçode ta dal de pedra, dexode el la pa tchon tude cuberte de sangue e quaz mei morte. Enton, quel pove uvi c’Dr. Regala e ês pará log de dá Rufino de pedra, o que foi sê salvaçon.

 

Inda mi n’era nascide, quê  um bem pa ês munde sô na 1939, ma sempre na nha curiusidade, m’ tava uvi nha tia avó Zia ô Nha Julia Martina, mas cunchide pa Nha Julia de Tine, contá c’grande orgulhe, emoçon e admiraçon Stora daquel Revoluçon fete pa Nhô Ambrôze, quel home corajose que cunsigui pô Soncente em  pese, na muvimente.

 

La pa d’nutinha, pove calmá e cumeçá t’entrá pa casa devagarin e, assim durante tcheu tempe na Cab Verd tude inter foi mandode mantenha na carta e ca tava falode n’ôte cosa, senon sende na Revulçon de Nhô Ambrôze.

 

Atitude mas heróico dês Revulçon, ê que pove sube cma Nhô Ambrôze quel home honrode e modeste, tinha entrode pa casa na fim moda tude gente, ma que mon baziu sem nada sequer ter levode daquês armazem que fui rombode pa pove, quê pa el, sê principal  priocupaçon era dirigi quel revolta pal podia oiá sê  Pove  feliz, e assim foi.

 

Enton quel Pove, num geste de solidariedade, bá tê sê casa leval sê parte que fui nada más nada menes qu’um pacote de café. C’aquel pacote de café quês leval, el vendel e enton el pude comprá um bocode de carre salgode, quel fecá ta pô, algum tempe, na sê catchupa. Quê dvera dvera, moda voz de pove ta dzê:      –   Pum Catchorre Ingordá, Um Burre Há De Morrê!

 

E, cma na tude Revulçon, tem sempre quel parte gloriose e triste d’história, nô ca podê de nium manera,dexá de falá de tude ês, quê ês ta fazê parte d’História.

 

Assim, mandode de Praia (capital) pa governe portugês, tchegaba na Soncente um admistrador de concelhe (d’época colonial), um tenente de nome Raul Duarte Silva,cumpanhode de tropa, c’orda especial pa esmagá e rabentá c’tude quel açon popular. Em vez de cmida pa pove, ês trazel foi “pau”, quê log ês cumeçá ta prendé um por um, tude quês gente qu’era cabeça de Revulçon de Nhô Ambrôze pa julgás e ês  era:

 

–       Nhô Ambrôze, Serafim, Arlindo, Manuel Gamboa, Muxim de Pina, Jon Penose e Eustáquio etc., De tude ês grupe, uns despôs de julgamente e sem ter repindide, fui deportode pa Ilhas de Sal ma Boavista.

 

Nhô Ambrôze e tcheu de sês cumpanher, fui quaz tude deportode p’Angola, ondê qu’alguns dês tê morrê pra lá. Ma Nhô Ambrôze, el cunsigui inda voltá pa Soncente, depôs dum amnistia geral dode pa governe  português na época.

 

Natural de SanAnton, “Capton” Ambroze, morrê na Soncente, dia 25 d’Outubre de 1946, pa 11h30, na sê casa lá na Rebera Bote, c’idade de 68 one.

 

Ês grupe d’home honeste e corajose que naquel tempe, desesperode pamode problema de”Fome”(quê fome ca tem oie) que já tive coraja de desafiá quel regime colonial fascista que já tava ixisti, ta merecê tude respeite, admiraçon e compreenson de tude geraçon confundide de nôs terra e pa tude tempe na História de Vida Cab Verd.

 

E, pa guardal na nôs mimória ma na nôs coraçon, Nhô Ambroze, fecá c’sê nome gravode pa sempre num placa inaugurode c’tude honra na dia 5 (cinque) de Julhe, dia d’Independência Nacional, la na tchon de Soncente, naquel avenida que ta bai de Praça de Dator Regala, tê funde de Rebera Bote, ondê que partiba c’aquel primer Revulçon de Vida de Cab Verd, chefiode pa “Capton” Ambroze.

 

Livre consultode : L’Afrique noire est mal partie de René Dumont

                                 Famintos de Luis Romano

                                 A Minha Vida  de Donald Wahnon

Mindelo D’Outrora de Manuel Nascimento Gomes (Nena)

 

Zizim Figuera (José Figueira, júnior)

  1. Bom dia amigo Zizim de Ti Djô Figueira,Continuo tirando- te a minha reverência pelo teu excelente trabalho.Pois essas “storias” de fim de semana continuam avolumando a História da nossa Ilha de São Vicente-C.V..A revolução do Nhô Ambroze, a primeira na história de cabo Verde de um homem corajoso como ele merece todo o nosso respeiro e devoção.”Storia” bem escrita num crioulo suave e plenamente adpotável para ensaio da nossa lingua cabo-verdeana que o Zizim vem trabalhando há anos com devoção/amor

  2. Sinceramente, Mais uma excelente história da nossa terra Soncente, contada pelo nosso compatriota e amigo comum Zizim Figueira.Continua obrando neste sentido até a edição do teu Livro que penso será uma “BOMBA”.ADOREI!!! Beijinhos Minda

  3. Bravo!!! Uma magnifica estória em todos os pontos de vista e sobretudo muito bem elaborada pelo amigão Zizim Figueira.Aqui onde vivo toda gente gostou e continuam apreciando o teu trabalho dizendo que sem esse trabalho a historia de São Vicente, seus factos diversos, seus heróis e sua boa gente de Morabeza iriam sendo consumidos e condenados a desaparecimento quasi total.Tu és a torcha de passagem na corrida que Deus deu!!!

  4. MINDELENSE

    ESTA FOTO E O TEXTO É ENDEREÇADO AQUELE SENHOR DA OUTRA BANDA QUE TEM ODIO DO MINDELO SÓ POR SER UMA CIDADE LINDA COSMOPOLITA E AMADA E COM UMA RICA HISTORIA QUE NENHUMA UMA OUTRA CIDADE DE CABO VERDE TEM.

  5. Sou de DjarFogo, Mas convivi muitos anos em S.Vicente terra e gente amada por mim onde fiz todos os meus estudos e grande parte da minha vida.Por isso aí vai mais um comentário de conotação positiva para acompanhar todos os outros e em especial a do MINDELENSE que é pura verdade infelimente. Quero felicitar também o autor escritor Zizim Figueira pela sua magnifica obra histórica.

  6. Uma parte histórica do meu país Cabo Verde muito bem contada.Sendo muito jovem desconhecia completamente o conteúdo dela.Bravo ao narrador Zizim Figueira que espero um dia conhecer ! Bravo ao Nhô Ambroze pelo seu exemplo na determinação da revolta do seu povo quando mais não podia ser com a falta de trabalho e FOME. Espero que no dia 1 de Junho 2012 saibamos reagir na manifestação e dizer tudo o que ressentimos pelas injustiças cometidas contra S.Vicente e todas sa Ilhas do Norte.Cordá Soncente.

  7. Meu amigo Zizim,
    Esta história é muito pertinente e faz-nos refletir como o nosso povo nos velhos tempos não era omisso, submisso, tão pouco alheio. muito pelo contrário, e um povo corajoso, inteligente e não leva desaforo para casa. Em dados momentos é necessário mostrar o valor que tem, não num sentido radical com revoluções, mas através de motirões em todos os aspectos, principalmente no sentido cultural porque o que não falta são pessoas capacitadas e com potencial para empreender algum tipo de movimento. Parabens por contar esta história para que todos acordem. Um abraço fraterno e afetuoso da sempre amiga,
    Io

  8. Madoro

    Bem precisamos… sr Zizim, recordar e Conhecer os feitos dos nossos antepassados… e inspirarmos neles e rompermos a inércia do medo. Obrigado

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.