O perigo espreita no cruzamento na Rua da Policlínica

11/03/2013 00:01 - Modificado em 11/03/2013 00:18


passadeira policlinicaO cruzamento na Rua da Policlínica, nas imediações da Praça Regala está a deixar os condutores preocupados. Isto porque há uma passadeira muito perto da curva que deixa os condutores sem espaço para manobrar. Como explica um dos condutores, Manuel Reis, que utiliza o local com frequência: antes de virar a direita é difícil prever o que se passa nessa passadeira.

 

A questão que os motoristas colocam é que têm que sair de forma rápida da curva para evitar constrangimentos ao trânsito, e a passadeira os obriga a parar no meio do percurso. E que ao fazerem uma paragem para deixar as pessoas passarem ficam numa situação que prejudica a circulação de outros veículos.

 

NN constatou que a passadeira fica a menos de dois metros de uma curva que dá acesso a Rua da Policlínica. “Essa passadeira gera problemas para quem está ao volante, porque nem todos os peões fazem o bom uso dela. A passadeira funciona como um sinal de STOP, porque ao virarmos a direita e está alguém a passar, temos que ficar parado na via de uma forma errada” afirma Manuel Reis.

 

Pedro Fortes é peremptório ao dizer que “ a passadeira foi mal colocada, ela devia estar alguns metros depois da Policlínica. Porque nesta rua há uma grande afluência de carros e pessoas, de modo que o perigo espreita a qualquer momento”.

 

Contrariedades

 

Este sentimento é partilhado por muitos condutores, como o caso de Silvestre Ramos e Maria Santos. “Trata-se de um estado desagradável, porque nenhum condutor tem a intenção de atropelar alguém. Mas a verdade é que há situações que deixa um motorista com os nervos a flor da pele. É visível vermos todos os dias muitos peões a fazerem a travessia de forma incorrecta, ou a pararem nessa passadeira para falarem com outras pessoas”.

  1. Anatolio

    Porque é que as pessoas em são vicente andam sempre no meio das estradas? É impressionante!

  2. Boise d' Soncente

    Quel la na policlinica é um na meio de un monte… sinceramente quem tava te realiza estudo de colocação de passadeiras na SV devia estode mok ou então el ca tem noção do q el tava t faze… tud condutores e peões na SV te reclama mesma coisa.. mas no entanto se policia panhobe sem quel inspeção bo tem q paga 10.000$00… e quem t controla ques colocação de sinais e passadeiras de transito???? Acho q passadeiras mal colocadas te faze mas acidentes q um inspeção na carro sem ser realizado….

  3. cidadão

    Temos um caso ainda pior que é a passadeira perto da ex escola Jorge Barbosa onde ficam a UNI CV e a delegação do ministerio da educaçao, frente à casa do Sr. Capela da firma Alexandre Benoliel de Carvalho. Esta passadeira surge logo apos uma curva de configuração triangular e é muito utilizada quando há actividades na Rua de Lisboa obrigando a que os condutores tenham que passar horas a esperar as pessoas atravessarem porque ninguem está disposto a ceder a sua passagem.

  4. TR

    ja k jas lembra na kel rua, derivod kel passadera, e pa lembra tambem ke perig ene so la mas tambem kel passei dum banda i dod ek pessimo, peao ta ser obrigod txeu vez anda mesmo na estrada i la e kemin dum bocd d mnin de escola, i de not e mas complicod, ja ta na temp pa kem de direit spia kel situaçao, ke maioria kem ta passa na kel rua ta anda e na estrada ek tem “amdjor condiçao”. fka ess dica!!!

  5. rapaz sem juizo

    São Vicente tem passadeiras mais do que peões e viaturas.

  6. olho vivo

    A meu ver, esta rua da Policlinica devia ser sentido unico. Teria uma unica faixa de rodagem, espaço para estacionamento e passeio à vontade para peões. Para isso teriam q melhorar as condições das vias paralelas alternativas para o transito no outro sentido.
    Sr. Eduino, isso de problemas no transito em SV dá muito que falar e sugiro q crie um espaço exclusivamente para a abordagem deste assunto. Estará ajudando a resolver muita coisa assim como vem fazendo em outras areas de interesse colectivo

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.