Sem consenso

8/03/2013 00:36 - Modificado em 8/03/2013 17:38

OLYMPUS DIGITAL CAMERAO Ponto de Fuga organizou em São Vicente um debate à volta das obras de alargamento do terrapleno e de construção da via de acesso norte no Porto Grande. Estiveram à volta da mesa a Enapor, representada por Franklin Spencer, o Eng.º Guilherme Mascarenhas que tem sido uma das vozes contrárias às obras, entre outros biólogos. A classe política esteve representada por António Monteiro, líder da UCID que entregou no tribunal de São Vicente um pedido de embargo das obras e a Câmara Municipal representada pelo Vereador Humberto Lélis. E a sociedade civil teve a oportunidade de ouvir e intervir.

 

Apesar do debate ter girado à volta das necessidades da obra e dos seus impactes ambientais, acabou quase sempre por desembocar na praia da Laginha e dos possíveis impactes para a mesma.

 

ENAPOR explica-se

 

Franklin Spencer fez a sua apresentação explicando como irão decorrer as obras e os benefícios para a ilha. O factor económico e a necessidade destas obras para a ilha foram o ponto trazido para o debate. “Há que haver um equilíbrio entre a necessidade de desenvolvimento e os níveis de impacte”, explicou Franklin. O aspecto económico foi valorizado por várias intervenções do público.

 

E…

 

O cidadão Adriano Pires na sua intervenção acredita que se trata de um problema económico e que pensa que pode ser resolvido com este projecto. “Fico com a sensação que queremos o porto num postal bonito para o mundo ver, ignorando a realidade”. Afirmação que granjeou muitos aplausos. Alcindo Amado também interveio afirmando que às vezes, é necessário fazer sacrifícios e que “para avançar é preciso fazer algo”.

 

Num consenso não encontrado, durante o debate realçou-se que as vozes não se opunham de todo às obras. Mas a exigência é que haja estudos mais conclusivos sobre os impactes ambientais no ecossistema marinho da praia da Laginha. Esta “falta de garantias” levou António Monteiro a pedir mais seriedade e mais estudos, pois o Estudo de Impacte Ambiental “não é conclusivo”.

 

Mas, de uma forma antecipada, foi pedido que no caso das obras não correrem como se espera, os responsáveis devam assumir. A confiança na classe política foi invocada, acreditando que “não fariam algo somente para prejudicar São Vicente”.

  1. Hugo Silva

    Quem é Adriano Pires, comandante das frap irmão do ditador Pedro Pires e Alcino Amado, oportunista, dois comerciante do Fogo, da situação, os novos ricos. Aqui estão dois grandes mindelenses, Soncent cabod na nada.

  2. SAO VICENTE

    CAMBADA DE IGNORANTES, ESSES BIOLOGOS QUE NADA PERCEBEM DE DESENVOLVIMENTO ECONOMICO E SOCIAL E ENEM DE AMBIENTE, NUNCA VIRAM NADA NA VIDA DELES, ESTYDARAM CA E ALGUNS FORAM ATE PORTUGAL QUE TAMBEM NAO É EXEMPLO DE NADA. O GUILHERME É ENG ELECTRONICO E VIROU EXPERT EM PROTEÇAO AMBIENTAL E NADA DISSO ELE ENTENDE. POVO DE SONCENTE CA NOS TCHAS BAICOTA NOS DESENVOLVIMENTO

  3. politiquise

    só politiquice. na politica infelismente é assim: cada um ta x´pia forma d’subsai

  4. Matrix

    Ó homis di Fogo, que tal se tirarmos as pedras do vosso vulcão para fazer o nosso porto? Ou melhor ainda, colocar um “gin e tónico” no vosso vulcão para virá-lo do avesso e deixá-lo todo esventrado para ver como reagiriam? Se vocês têm tanto orgulho nessa montanha, ícone da Ilha do Fogo, então que nos deixem em paz com a nossa Laginha. Vão destruir na vossa terra. Desde que Soncent ficou entregue a emigrantes como vocês que não têm nenhum amor a esta ilha tudo está a ser destruído. E o pior é que constroem elefantes brancos que depois não servem para nada. A Cabnave é um exemplo, destruiu uma zona turística e agora polui as águas, como está escrito no tal estudo de impacte. Só que ninguém está chamando atenção para estas coisas. Se calhar o povo nunca ouviu falar de poluição e do seu perigo para a saúde. Onde é que se viu zonas industriais lado a lado com zonas de lazer? E porque é que não se aprofunda o turismo em S. Vicente visto ser uma das cidades mais bonitas de Cabo Verde? Se calhar já foi mas começa a perder o seu charme. Get lost.

  5. cidadaoatento

    Vamos respeitar o trabalho dos biologos dos que querem o bem da S Vicente e da Laginha, desrespeitar em nome do partido unico PAI que quer impor atraves das institui, coes, nao. Todos que vivem em S Vicente tem dirieito a defender somos um e abaixo o bairrismo estupido, isso sim e contra o progresso. todos sabemos que o trabalho do alargamento vai prejudiar a Laginha, quem nao ve porque nao quer, ai sim e estupido. Perdemos a Matiota e agora vamos perder a Laginha

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.