França diz que é possível a morte de líder da Al-Qaeda no Magrebe

4/03/2013 12:03 - Modificado em 4/03/2013 12:03
| Comentários fechados em França diz que é possível a morte de líder da Al-Qaeda no Magrebe

GuerraChefe do Estado Maior das Forças Armadas francesas não confirma a morte de Abu Zaid por não ter sido recuperado o corpo. E reconhece que paradeiro dos reféns franceses no Sahel e no Mali é desconhecido.

Um dia depois de o Exército do Chade ter reivindicado a morte do argelino Mokhtar Belmokhtar, líder de uma dissidência da Al-Qaeda no Magrebe Islâmico (AQMI) e dias depois de a imprensa francesa e o Presidente do Chade terem anunciado a morte de outro importante membro do grupo responsável pelo ataque ao campo de extracção de gás de In Amena no Sul da Argélia, Abu Zaid, o Exército francês ao mais alto nível veio explicar que a morte de Zaid era “provável” mas que sobre ela não podia haver certezas por não ter sido encontrado o corpo.

 

Uma fotografia em local desconhecido de Abdelhamid Abu Zaid, que é um dos líderes da AQMI, foi difundida em Dezembro pela rede de comunicação Sahara Media, ainda antes do ataque ao complexo de In Amenas, em Janeiro, que terminou com a morte de dezenas de reféns, quase todos estrangeiros. Na passada quinta-feira, a estação privada de televisão da Argélia Ennahar TV anunciou a morte deste líder com mais outros 40 combatentes islamistas em combates no Norte do Mali. E esta segunda-feira, a França, pela voz do almirante Edouard Guillaud, chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA), não confirmou a morte mas disse que esta era “provável”.

 

Entrevistado pela rádio Europe 1 e questionado directamente sobre a eventual morte de Abu Zaid, o almirante Guillaud respondeu: “É provável, mas só provável. Não temos a certeza até ao momento, mas seria uma boa notícia.” As palavras do almirante são a primeira indicação do Governo francês de que Abu Zaid morreu em combate no Norte do Mali, onde o Exército do Chade é o principal parceiro na intervenção militar francesa lançada, por iniciativa do Presidente francês François Hollande, para impedir o avanço de grupos rebeldes radicais.

 

Familiares de reféns à espera de informações

Por não ser confirmada, a informação da morte de Abu Zaid e de Mokhtar Belmokhtar não está a ser comentada pelos familiares dos 15 franceses tornados reféns, desde 2010, alguns dos quais pelo AQMI na região do Sahel e outros no Nordeste do Mali, palco de combates.

 

Sobre o local onde estarão os reféns, o chefe das forças francesas disse “não ter qualquer informação”. Considerou “possível” que tenham sido deslocados e “dispersados mas não necessariamente para um outro país” e garantiu, nesta entrevista à Europe 1, citada pela AFP, que não estão certamente onde as forças francesas “combatem”.

 

Publico.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.