Braço de ferro no ex-ISECMAR: “não vamos pagar a taxa. Agora digam isso à Praia”.

28/02/2013 00:49 - Modificado em 28/02/2013 00:49

A manifestação convocada pelos estudantes do ex-ISECMAR que se opõem ao pagamento de 1000 escudos por cada exame que prestarem na segunda chamada, desembocou numa reunião entre os alunos e o conselho directivo da escola onde outros problemas foram levantados e confrontados entre eles. Resultado: os estudantes não vão pagar a taxa do respectivo exame e o conselho directivo mantém-se inflexível. Perante esta situação, os estudantes vão procurar falar esta quinta-feira, dia 28, com o vice-reitor da Universidade de Cabo Verde (UNICV), Manuel  Brito Semedo, numa concentração marcada para as oito horas e meia.

 

O “Novo Regulamento das Propinas e Emolumentos” foi, segundo a presidente do conselho directivo da escola, Alexandra Delgado, enviado por e-mail a todos os alunos e, inclusive, na semana académica foi explicado aos estudantes presentes. O conselho directivo argumenta também que “desde o Verão passado que tinha sido aprovado”, perante estudantes que dizem que souberam dos seus contornos apenas esta segunda-feira, 25, com o aviso colocado na instituição de ensino em causa.

Ao porquê do pagamento dessa taxa que não existia em anos anteriores, foi respondido por Alexandra Semedo como forma de “desincentivar os estudantes a irem para a segunda chamada”. Em reunião com todas as unidades orgânicas da UNICV, Alexandra Delgado diz que foi a forma que os conselhos directivos encontraram de incentivar a avaliação contínua para que  os estudantes consigam ser  “os profissionais de qualidade que nós ambicionamos para o país”. Pois no entender  da UNI-CV os estudantes “abusavam do recurso a segunda chamada “ e com isso não participavam nas aulas limitando-se a fazer o exame . Só que os estudantes não concordam ,pois no seu entender “ ninguém vai a um exame por que  quer . Só para gastas mais tempo e mais dinheiro”

Estudantes consideram taxa injusta e absurda

Os  argumentos do Conselho Directivo em relação ao pagamento da taxa  de exame na segunda chamada não  convencem os estudantes que se dizem desprevenidos perante mais um pagamento para além dos 9000 escudos de propinas/mês que muitos afirmam ter muitas dificuldades em pagar. Outros vão mais longe e olham para esta taxa como uma forma da escola embolsar mais dinheiro dos alunos.

Marilia Morais estudante de engenharia civil diz que “o facto de estarmos na escola não é sinónimo de estarmos cheios de dinheiro”. No mesmo sentido, Erika Chantre, estudante de ciências biológicas afirma que “esta escola é pública, não é privada. Nós estamos aqui porque não temos dinheiro”.

Elton, estudante de engenharia mecânica disse inclusive que “quem manda é a Praia e estes aqui (referindo-se ao conselho directivo) são figurantes”. Entre aplausos, apupos que giravam entre as intervenções de uns e outros, foi com Elton que se deu por encerrada a reunião quando voltou a intervir dizendo que: “a única decisão que vai sair daqui é que não vamos pagar a taxa. Agora digam isso à Praia”.

Em declarações à comunicação social este aluno considera: “a taxa não é só injusta, é absurda”, opinião partilhada por Erika Chantre e outros estudantes, como Yannick Rocha, a estudar engenharia mecânica. “Não entra na cabeça de ninguém que a escola colocou aquela taxa para desincentivar os alunos a irem a exame”, critica Yannick.

Longe de verem o problema resolvido e findo o prazo que havia sido regulamentado para a inscrição nos exames a terem lugar no início de Março, Erikson Lopes, estudante de engenharia civil, informou o NN que amanhã, 28, os estudantes vão concentrar-se à frente da UNICV e procurar resolver o problema com o vice-reitor Manuel de Brito.

Matérias relacionadas:

http://noticiasdonorte.publ.cv/11484/estudantes-do-ex-isecmar-organizam-manifestacao-em-protesto-contra-pagamento-de-exames/

 

http://noticiasdonorte.publ.cv/11494/estudantes-da-ex-isecmar-e-recusam-se-a-pagar-taxa-de-exame/

 

  1. carla

    nenhum alunu ka ta kré passa si féria ta studa pa bai faci ixami, por issu ka kobra 1000 pa ka ixami ki ta sensibiliza alunu a ka bai ixami i nem 1 alunu ka ta kre bai ixami.por issu sinhora alexandra da otu diskulpa pmd kéli ka teni fundamentus.
    NU KA STA PAGA PA EXAMI…………………….

  2. Djunga

    A UNICV ou UNI familia, está falida. Gastam milhares a contratar portugueses para leccionar disciplinas que nacionais podiam dar. Gastam muito dinheiro criandos tachos aqui e acolá. Gastam dinheiros em viagens. O aluno e que vai pagar pela má gestão. Vê-se todos os dias cadeiras partida, jogadas em todo o local no DECM, Balnearios sem agua, sanitas sem autoclismos, internet que nao funciona, salas sem luzes de emergencia, balnearios sem torneiras, carros e autocarros abandonados dia e noite, etc.

  3. dinheru ka tem, ses sta na crise es bai rabida pedra es tra dinheru, kel taxa nenhum aluno ka sa pagal ate ki situacao ka resolve. Manhan tem + um propesto la na departamento as 07:00 de manha….nu junta forca nu termina ku es corrupcao kes teni la…….

  4. Figaro

    Carla és mesmo ingénua , que até mete dó …

  5. Maria Antonia

    VERDADE SEJA DITA A UNICV TEM TIDO MA GESTAO, POIS NAO S JUSTIFICA K TENHA TANTOS REITORES, PRO REITORES E VICE REITORES QUE NEM SABEMOS QUAIS SAO AS VERDADEIRAS FUNCOES, GENTE IDOSA E ULTRAPASSADA!!!PASSAM A VIDA A VIAJAR E NOS ESTUDANTES ESTUDAMOS EM PESSIMAS CONDICOES DAS SALAS DE AULAS AQUI EM SV, CASAS DE BANHO SEM AGUA, SEM BIBLIOTECAS…MUITOS PORTUGUESES VEM DAR AULAS K OS NACIONAIS PODIAM DAR ARRANJADOS POR CUNHAS DA V REITORA. UNICV E CABO VERDE EH NOSSO NAO D PORTUGUESES E GENTE VELHA

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.