Carnaval de Rua : Um vez (…) era sabe, um vez era ote coza

12/02/2013 23:58 - Modificado em 12/02/2013 23:58

O Carnaval de Rua Mindelense considerado um aperitivo no Carnaval está perdendo sabores e qualidade. Os são vicentinos consideram que o Carnaval de Rua está-se a desvalorizar e que antigamente apresentava-se de forma mais divertida e original.

 

Mindelo, cidade do Carnaval, está a perder a tradição do Carnaval de Rua. Este, que não tem regras, nem prémios e nem poses perante os membros do júri já não encanta como antigamente. Está a perder o brilho, assim refere Ludmila Barros, uma espectadora do Carnaval. Caso para dizer que uma vez os protagonistas tinham maior poder de sedução perante os mindelenses.

Como refere a morna cabo-verdiana ”Um vez Soncente era sabe”, pode-se dizer que soncente continua sabe, terra sabe, mas o Carnaval de Rua, como disse Carla Rodrigues, “um vez era mais sabim, is moço tava diverti gente, agora catem piada”, isto dito pela voz de uma mindelense que há 16 anos que não vê o Carnaval Mindelese.

Várias cenas são vistas nas artérias do Mindelo e a maioria não tem nenhuma mensagem, não cativa os olhares, antes pelo contrário, muitas vezes apresenta cenas reprováveis perante os olhares atentos das crianças. O provérbio popular aplica-se na perfeição “é Carnaval, ninguém leva a mal”. A mal ninguém leva, mas olhares de reprovação sim. Como disse um leitor deste jornal, ”podem-se ver pessoas gritando palavrões, outros simulando cenas de sexo, consumindo bebidas alcoólicas que muitas vezes culminam em violência gratuita….” e afirma que existe uma inversão de valores, o que leva a um afastamento de muitas pessoas do Carnaval.

Entretanto, Anisia considera que o Carnaval de Rua tem um papel importante, mas que está a perder um pouco a sua identidade. Contudo, não deixa de frisar a importância que tem para o Carnaval, visto que diverte o povo enquanto se espera pelos grupos oficiais e que os participantes do Carnaval de Rua deveriam ser apoiados.

  1. Mila

    Realmente Carnaval d rua na Soncent tita perde txeu ixatament por causa d pessoas k ta pensa k “bo pode faze tud pk e Carnaval y ninguem leva a mal”. E um tristeza oiá jovens ta “berrá” barbaridades na meio d tont gent, sobretud d crianças k precisa dum bom exemplo. Axo k seria bom ter um debate na radio ou na televisão pa apela população p importancia dess ivento mas sobretud importancia do civismo.

  2. Eu penso que a Câmara Municipal deveria incentivar mais as pessoas, atraves de premios, aliás isso fazia antes. As pessoas faziam a sua criatividade em grupo ou pessoal e dar o melhor brilho ao Carnaval Mindelense e concerteza que temos gentes capazes aqui em S.Vicente muito criativo em termos e imaginação carnavalesca.

  3. Ivan Gomes

    Tens razão Ludmila, muitos aproveitam este carnaval para mostrarem a falta de valores.

  4. Africa

    Não sei se notaram, mas não havia espaço para Carnaval de rua os grupos andavam um atrás do outro .

  5. Mindelense

    Tirando os grupos (Samba Tropical, Sonhos Sem LImites, Monte Sossego, Flores de Mindelo, Cruzeiros do Norte, Escolas Secundárias, Jardins de Infância, Kidslândia, e semelhantes) que levam brilho, energia positiva, alegria, passam uma mensagem positiva, os desfiles de rua têm sido deprimentes e reprováveis, como pessoas consumindo bebidas alcoólicas, gritando palavrões, apresentando senas de sexo, etc…., Eu pessoalmente, há vários anos deixei de assistir o Carnaval de rua.

  6. Mindelense

    A deprimência e a depravação é maior nos desfiles de Mandinga, não sendo contra o desfile de Mandingas, mas infelizmente, um grande das pessoas que acompanham os desfiles, praticam todo tipo de insanidade já mencionadas no meu comentário anterior. Infelizmente a inversão de valores, em que o errado está prevalecendo em detrimento do certo e do bem, vai ganhando terreno. A PN sozinha não conseguirá controlar tudo, só peço que nenhuma mãe se exponha os seus filhos a tanta falta de respeito.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.