Ofensas corporais: Juiz condena a dois anos e onze meses de prisão suposto líder dos BBH

7/02/2013 00:51 - Modificado em 7/02/2013 00:51
| Comentários fechados em Ofensas corporais: Juiz condena a dois anos e onze meses de prisão suposto líder dos BBH

O Tribunal da Comarca de São Vicente condenou a dois anos e onze meses de prisão, Djassi Delgado, mais conhecido por Terror, considerado líder do grupo BBH. Djassi respondia a vários processos entre os quais de ofensas corporais tanto na forma agravada como na forma simples, um processo de roubo e outro por associação criminosa.

 

O 2º Juízo do Tribunal de São Vicente deu como provada as acusações que recaíam sobre o arguido de ofensa corporais na forma agravada a três indivíduos. Os crimes foram cometidos entre 2008 e 2010. Um das acusações teve uma análise de teor passional pelo Juiz envolvendo o arguido e a ex-namorada. A relação mal resolvida entre os dois levou com que a namorada procura-se um novo companheiro e insatisfeito, ficou provado em tribunal, que o arguido procurou os dois com a intenção de os agredir, tendo o magistrado usado o termo: “agiu de caso pensado”.

 

Indemnização

 

A estes, a ex-namorada e o companheiro vão ser indemnizados pelo arguido no valor de oitenta e trinta mil escudos respectivamente. Na outra acusação de ofensas corporais, que também ficou provado em tribunal, Djassi vai pagar ao ofendido o valor de 15 mil escudos. As outras acusações de roubo e associação criminosa não foram provadas. Em relação a este último o Juiz fez saber que por si só “é difícil de comprovar na prática”.

E o juiz fez questão de afirmar que esta foi uma pena atenuada. E ressaltou a postura “bastante interessante do arguido para estabelecer a verdade”. E essa postura correcta do arguido “teve relevância processual”, levada em conta na atenuação da pena. A atenuação da pena pelo juiz prende-se também com o facto de o arguido não ter mais nenhum processo desde a data do último acto de teor criminal. Mas também foi levado em conta “o quadro de alguma agressividade do arguido”.

O juiz no fim aconselhou Djassi a usar o tempo para reflectir e continuar uma vida sem violência.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.