Quel Pexe Salgode – Espundrode, Sirvintia de Nôs Aldeia

5/05/2012 04:02 - Modificado em 5/05/2012 04:02

Naquel dia 17 de Julhe d’one 1960, depôs de ter estudode c’força e vontade pa vencê más uns alinea de sétem’one pa completá, quê jam tinha nha setem’one d’alinea “G”, já não c’mentalidade de mnine ma sim c’consciença dum rapaz que sabia qsê quel queria, cosa qu’um fazê e ganhá, c’dispensa d’exame d’admisson pa Faculdade de Direîto de Coimbra (Portugal) que na época era tude nh’ideia.

Enton, ‘m recebê um grande desiluson de nha vida quonde nha pai dzeme cma finança tava um bocode down, quê jal tinha mandode três pa Lisboa pa basse estudá e, cma vapor tinha escassiode tcheu na Baía de Porte Grande, quel truquim já ca tava ta ba dá pa mandasse um home pa Portugal pa ba continuá escola.

Chatiode p’afronta, depôs de dôs dede de conversa na mei de tude quel folia de rapaz nove na força d’idade, influíde pa pove ma culiguinhas, ‘m tive de calmá mi mesme pa’m pudia comprendê bem quel situaçon de nha pai e aceital c’tude serenidade, resignaçon, tristeza ma sem rancor na coraçon, quê na funde el tinha razon.

Assim, cma jam tava galim frenche ta ba ta vrá home grande, c’um stora de vida pa contá moda tude gente, sempre t’increncá cada vez más c’um home ba t’entrá n’idade.Mi, nhas gente, jam ca podia fecaba más lá na casa, quê moda Damatinha c’sês máxima sempre tive de dzem cma, num capoera nunca ca podê tem dôs gole.

Sodade de nôs casa, pena de nha santa mãe Bia, tude isse era bem pesode, ma um home já ca podia fecá. Quê senon m’tava sinti vergonha de vrá ta ser um carga a más pa nha pai, sempre exemplar, trabaiá pa sê vida e pa casa. Assim, moda pove ta custumá dzê na terra, um home tinha que mexê e ba espiá sê vida “n’oracle”.

Felizmente, nunca ‘m infrontá pa mode nha espirte de luta, que sempre ‘m tive, e nha boa estrela que nunca bandonome. Nh’amigue e colega Dinha de Ti Concha, que tava conchê bem nha problema, um dia na conversa perguntam s’um tava interessode na ba trabaiá na Meteorologia, lá pa Dja D’Sal. Log um dzel cma sim.

Enton, el po’m pa escrevê um carta pa Senhor Mário Rodrigues (Mayuca de Nha Isê Teresa), antigue defesa central d’Académica de Mindelo, que tava incarregode de recrutá malta pa quel traboie na época. Dá, log uns dia depôs parcê quel carta de chamada pa Dja D’Sal, quê resposta ca demorá, quê el incontrá ba ta bem.

E cma malta de nha rua sube cma ‘m tava ta bai pa Dja D’Sal pa fecá, ês resolvê fazem um grande despedida lá na Rebera Bote, na casa de Nha Clara, mãe de Djunga ma Zabel, pessoa que nunca ‘m podê esquecê, quê ela é que fui partera que ijdá nha mãe pom na munde.

Festa fui mute divertide e prop bem organizode pa malta: – Hirmine Manquim (Boring), Chima de Nhô Izê Ninclau, Teodoric sê irmon, Djunga de Nha Clara, Leizão, Lau de Briza e um monzada de gente cunchide ô não. O certe ê que sem m’sabê porquê, tude gente queria participá naquel festa de despedida prop p’amizade.

Plumanhã, lá naquel lorgue de Rebera, quês pô nome de Rebera de Paúl, quê tinha dode tchuva e lá tava tude virdim, sumenhode de midje, fejon, bobra, mindioca, batata doce ma inglesa. Nô cordá tude gente, na mei daquel friscura, c’nôs juguinha de rudiada pau, home c’amdjer trançode, num gritaiada de matá, ta ijgá, gole a gole, betada pa diante ma balizinha, lá naquel lorgue que tava separá Rebera Bote de Monte Sussegue, cosa que hoje em dia já ca ta nem existi, mode desenvolvimente de terra, ma que dexone c’um sodade bem gravode na nôs peite.

Duas’hora da tarde, Nha Clara somá na porta de casa, el dá gente fala c’aquel bom grite de custume, chei d’amizade de:

 

–         Oh nhas fedjode, bsote bem quê quel chá já ta pronte!

Basta quês gente que tava lá ta sisti quês juguinha fecá tude intrigode, tê que tive alguns que dzê “Chá?… Destes’hora?!”

Moda ca pudia dexá de ser, ca faltá manhente pa ijdá nôs cmê quel bocode de cmida, quê porta tava sempre aberte pa tude quem quisesse ba matasse sê fome naquel bon fejon pedra c’pé de tchuque e tude ingridiente, mute bem preparode pa Nha Clara ma sê filha Zabel.

Tude sabim naquel despedida e, pa completá quel quadre, tinha pr’além de malta de nha rua e de nha idade, tude quel malta parodiente de ferraria de Jon Fliner, moda Maica Barronque, Lexandre de Nho Toi Lulú, Hilas Miranda, cumpanhode de nôs Jon Pope Seque, num ambiente prope quente, chei de pirraça ma partida e risarada, ondê que tive tê descurse.

Da tardinha, tude gente, forte e mei carrosque, cambá  Compe de Jogue pa ba oiá um super Mindlense x Derby,  ondê que Derby dá nôs Mindlense 2 x 1, pa nha grande tristeza. Ma, na qualidade dum bom desportista, ‘m tive que aceital, quê  Derby fui amdjor naquel tarde. E, depôs de ter agradecide malta,’m cambá casa ba detá, quê ‘m tinha que argui cidim.

Na dia seguinte, ‘m cambá SanAnton, Compe de Cão, na Paúl, via Porto Nove, cuvedode pa nha grande amigue Minito Costa, cumpanhode de nhas colega Nhelas de Muchim Mercone, Djibla, Edgar Sousa e quel teimose de Neta Freitas (Deus dá ês dôs céu), que sebí de Mesa tê na Cova a pê, c’mania de querê fazê volta a SanAnton de bicicleta. Basta el escapá de psú nhondenga, ma inda malta dal força e el pude tchegá tê na Mar de Francês derriba de Compe de Cão na Vale de Paúl.

Também, pa trás de tude ês esforce, tinha nôs tchutcha que tava pra lá ta esperone. Cosa de rapaziada. Assim, no proveitá quel convite de Minito quê, camada mim, inda ‘m tinha uns dia de féria, pam proveitá antes dum cambá Dja D’Sal sem dia de vrá pa Soncente.

Nô tchegá na Porto Nove de note, log nô bá drumi quê na dia siguinte gente tinha que argui cidim. Enton, naquel ote dia, log cidim, ês ba levá nôs na jeep d’obra tê lá derriba na Mesa, lugar ondê qu’antes tinha quel boa ága de bibê, quês tava mandá tê pa Soncente. Depôs, da lá no bai tude a pê, ta sebí, ta gozá daquel bnite  panorama, digne de pincel dum artista pa pô num quadre pa sempre. Cabá, quel one lassim tinha dode tchuva drete, era aga ta corrê grosse na rebera, que nô tinha qu’esperá guia pa mostrone ondê e cmanera que nô devia passal.

Paisaja daquês lá ca tem dôs igual na Munde e, el ta fecobe iternamente gravode na mimória, ma na coraçon, trançode c’aquês tcher de flor de laranjera, jasmin,  nanaz, goiava, manga, mançã e más e más.

Quel tchegada de madrugadinha na Cova (cratera de vulcão), já derriba de Vale de Paúl, c’um cavole bronc solte, lá dentre, ta corrê c’sês longue crina espaiode na vente, um verdader maravilha.Nô fazê um pausa, pa descançá um csinha, nô proveitá d’intchi nôs cantil e bibé quel ága frisquim, na rolode de folha de nhame.

Depôs nô cuntinuá nôs marcha a pê tê tchegá na somada de Vale de Paúl, c’aquel vista prope bnite de Mar de Francês ondê que devera bô ta fecá derriba de nuva, mode quel altura. Da lá nô cuntinuá té tchegá na casa de nôs amigue Minito, ondê que despôs nôs tude fui presentode na família e tude quês vezim deboxe dum grande ligria e quel morabeza de custume.

Nunca ‘m esquecê daquel pove de Rebera. Gente pobre, sim! Ma dum grande riqueza espiritual, chei de bondade na coraçon, capaz de fecá tê sem cmê pal dá um ote criston, sê irmon home, pa cmê as vez tê sem conchel. Geste que tava fazê vergonha, pa tude aquel que ca tava custmode c’aquês liçon de tonte humildade.

Depôs que nô instalá, cmê, durmi, descansá bem descansode, nô pensá log na dexí p’as Pomba, quê mar tava prope bom pa nô bai dasse uns mergulhe lá naquel Baía de Poce, ondê que nô fazê cunhecimente ma Nhô Lela Gastão, que naquel tempe era autoridade incarregode de Porte de Baía de Poce na Paul-SanAnton.

Cma el gostá tcheu de nôs malta, assim el ranjone log um bote c’uns pescador p’ês fecaba ta cumpanhone na mar, na hora de nôs merguie de caça submarina, durante tude quês dia que nô tava ta ba fecá lá na Paúl.

Quel Baía de Poce nôs ê qu’estreial, quê lá era lugar ondê que tê quel data ninguém tinha merguiode nel pa fazê caça submarina. Enton, lá dentre daquel Baía tinha tonte pexe ma lagosta, que nem no ca mistia de bai mute longe nem merguiá mute funde.

Prop naquel primer dia, nô uvi um barulhe moda um expluson, enton, ês dzên cma era pescador que tava pra lá ta dá fogue na melon um csinha más pra boxe, quaz perte de Jenela. Fui assim que nô conchê Dminguim Canhota, c’sês dêde de mon esquerde tude cortode pa sarda (tubaron piqnim) quonde ês tava dá fogue na melon e el tava caí na mar na mei dês ta panhá melon o más depressa quês podia, pamode tubaron ca cmês tude. Tal era sês filosofia de vida e manera, ‘m ta supô,  de vencê sês mede de tubaron.

No tchegá conchê um topógrafe angolano, por nome de Victória Pereira, que também vrá ta mergulhá ma nôs e de vez inquante, pa facilitone vida, el tava ba betá nôs té lá derriba, na Compe de Cão, na sê jeep. Assim era bom, quê no tava podê levá tcheu pexe pa casa, lá pa quês banda ondê que pexe ca tava parcê tude dia.

Caça submarina durante quês dia foi um riqueza. Pescador que tava cumpanhone c’sês bote ta remá pa done quel assistênça, pa defendene de perigue, ê que tava fecá que maior parte de nôs pesca, quê nô tava trá uns dôs cabeça de pexe pa levá pa cmê na casa, quel ote grande parte, cma no ca sabia qsê que nô tava fazê quel, ês tava fecá quel, pa vendê ô dá familai ma amigues.

Num dia que nô tive de bai a pê da lá de Poce pa Compe de Cão, quê nô ca tive jeep, bene n’ideia de levá, cada um de nôs, um grande nagoie fete d’arame, chei de pexe pa casa. Cma nô vrá ta fazê quel camin tcheu vez a pê, ‘m notá c’aquês gente de Rebera tava gostá de ter um pexe de cabeça daquês pas cmê. Ma sês humildade nunca tava dexás dzene  nada, nem manifestá quonte a más  pedí.

Assim, um dia, nô resolvê pa camin fecá ta dás parte de nôs pexe de caça submarina que nô tava trazê na nôs nagoie, sobretude quês bon pexe de cabeça que pamode destância ês ca tava nem oiá nem cmê, moda: – garopa, badeje, inforcode, chereu, esmoregal, bidion, etc,etc e que tinha tcheu naquês costa.

Pa ês, quel atitude de nô dás quês pexe establecê entre nôs um forte loce d’amizade. Sobretude quel pove de compe de SanAnton, custmode de vivê tude dia, naquel tempe, sô de produte de terra, frute honrode de sês traboi. Quês pexe que nô tive de dás durante quês dia que nô tava pra lá, bem trazês más um bocode de proteína na sês prote de catchupa, pa sês flecidade.

Na mei de tude quel pove, no tinha um amigue lavrador, home de terra por nome de Djô Maria, casode ma nha Rosinha de Compe de Cão. Djô era lavrador de terra de Senhor Djoca Oliveira e era um daquês que nô tava longá sempre uns pixim a más, quê el tava fecá bastante perte d’estrada na nôs camin de passaja.

Um certe dia, num de nôs pesca de sorte, um fisgá um esmoregal prete dentre de Baía de Poce, de quaz 20 (vinte) kg, basta quês pescador tê pô reme p’uar quonde ‘m somá na boia. Enton, cma quel pexe era mute grande e gorde, quês pescador log tral quel fíguede pa ca ser cmide, quê senon gente tava pêlá. Depôs ês cortal en dôs, no fecá c’aquel metade parte de cabeça, que nô levá nôs amigue Djô Maria.

El, Marabidjode c’sê bom pexe, de lode de cabeça el abril na mei, lanhal, salgal, bem salagode e pole um cruz de cana de carice travessode na mei, pa mantel aberte ta escorrê e secá na Sol quente.

E, depôs de note el tava entral pa casa e tava dexal “espundrode”, dia e note, num lugar lá na cume de casa ta escorrê. Basta quel dia jal tinha trode um bom nóc naquel pexe, el cuvedá nôs um colde de pexe de matá, mute bem fête pa sê amdjer Nha Rosinha, c’banana verde, mandioca, batata inglesa, batata doce, não sem n’esquecê quel bocal, também fête pa Nha Rosinha, daquel malaguitinha de pardal, furtim, panhode frisquin lá na sês horta.

Volta de duas’hora da tarde, nô ba ta tchegá pa quel cunvite na casa de Djô Maria, home alegre, conversador e sempre nimode, c’mil e um storia, moda tude gente pa contá, de sês fidje ma sê subrin Punhuque, quel educá e insená trabaiá terra.

Assim cma daquel ote subrin que no pô nome de Ratim, vitma dum tchuque que rufenal dum plar de mandioca quonde el tava tranquile ta dá de corpe (ta fazê sês nescidade).Ratim, cuitode, caíde da lá derriba, levode num padiola pa infermaria n’as Pomba na tempe d’infermer Dario, c’grite trocolode de tude quel pove de rebera, fui um cosa só. Ma nôs Ratim, na mei daquel afliçon e sofrimente , vrá pa sê mãe, el bá ta dzel:

 

–        OH Mémé, ocê gorde’m nha betetinha, s’uvi Mémé ?!

Era um batatinha doce quel tinha puste na brasa de sês fogon de três pedra, daquel hora pal cmeba pa lonche.

Alvicera daquel metade esmoregal, quel bom pexe de cabeça bem gorde que Nhô Djô Maria tinha “espundrode na cume de sê casa”, já tinha curride Rebera de Compe de Cão de norte a sul, leste a oeste. Enton, cada dia e cada um sê vez, tava bem um mnine de gente cunchide e amigue da lá de funde de Rebera bem dzê Nhô Djô Maria:

 

–        OH Nhô Djô, ocê betame bençon! Nha Mémé mandá dzê ocê s’ocê podia imprestal ocê “PEXE” pal merguiá na nôs cotchupa?!

Nhô Djô Maria, na tude sê humildade e boa fê, prope de quem que tava custumode a partilhá tude ma sês cumpanher de pobreza, lá tava dá quel mnine quel pexe recomendode c’um:

 

–        Bai, ma bô bem trezel log que bsote desuc’pá, está bem ?!

Mnine, bem mandode, tava bai rapte, tude contente, betode quel bençon, c’aquel “PEXE” ta corrê, mãe tava tmal e log el tava dal quel bom merguie na catchupa pa dá quel gustim e, mnine  tava torná voltá ta corrê, pa Nhô Djô Maria, ba leval sê “PEXE”pal podia torná pol lá na sê lugar, pal fecaba espundrode lá na cume de casa, pa sirvintia de quem mesteba.

Pa nôs, quel era cosa que tava fazene arrí, ma pa ês era um atitude normal de solidariedade. Enton, um dia pam satisfazê nha curiosidade, ´m intchí de coraja, ‘m perguntal :

 

–       Ma cmanera, Nhô Djô Maria ma storia dès “PEXE”?!

Enton, el saí c’um máxima que dexá nôs tude de boca aberte e, el dzene :

 

–      ÊS PEXE Q’STEI Ê SIRVINTIA DE NÔS ALDEIA. QUÊ QUONDE DEUS DA, DA PRÔ TODES. MA, USIS PODE STODE CERTE, QUÊ QUEL ÚLTEME MERGUIE, NÔS LI NA CASA É QUE TI TA BEM DAL UM DÊS DIA!!!…

Creditá quem querê, ma fui prope assim!

Uns dia depôs, quaz tude gente daquel Rebera sube que nô tava ta bai pa dondê que nô tinha binde, em especial mim, que tava ta bai p’um viaja longe, pa Sal, que talvez tão cede ês ca tava ta ba oia’m pra lá. Enton, ês bem carregode de doce de tude espece, de: – marmel, goiava, batata doce, nanaz, papaia, e de mantega de garrafa. Tude isse em sinal de reconhecimente d’amizade que nô mostrás quês quate semana que nô passá lá junte ma ês.

Ora di bai fui mute dure e bem triste, quê tude ês, grande que piqnim, braçá na nôs chei d’emoçon ta despedí e, nium de nôs ca pude resisti, quê ága esgritchi’n  pa cara boxe sem nô querê, d’oiás naquês cabeçe tude de linçim brónc na mon ta sanone.

 

Zizim Figuera  (José Figueira, Júnior)

  1. Bom dia rapazim de Nª Sr Jesus Criste! Moce hoje já bô pome qu’esse plumanhã log cidim ta tchorá c’lagrima e trimiura de tude nha corpe cum sodade infrontode desse munde qu’um tem pa nha terra Sintanton.Fotografia ta um maravilha! Ubrigada.No que ta dzê respeite a bo stile e bô pena é de louvobe nem Jorge Amado.Quonte a bô escrita impecavel.Parabens e um braça. DU

  2. Que magnifica foto e que magnifica estória.Nós que vivemos toda essa época claro que nos enches de saudades atravéz da tua magnifica maneira de escrever esses contos repletos de expressões de que ja nem me lembrava após tantos anos na diaspora.Mas
    cá vou aprendendo.Adorei e estou a lendo neste momento na hora do café para os meus que não param de por peguntas e lá vou desbravando tanto bem como mal.Bem hajas Abs Minda

  3. Zizim,nê agora queme ta gostá de alê bôs estora.Bô tem um dom especial de pome ta vivê bôs conte.Sem ofensa pa ninguem má gente de sintantom tem solidariedade na sangue.Inda más eme ta dóbe parabens quê bô tem um memória”de elefante”.Bô ta lembrá de tude côsa,até daquez expressom que eme ca uvi diazá na munde.Um braça

  4. Parabéns, Zizim! Obrigado pa más ess estória que ta transportone pa quel ambiencia sábe que nô tinha lá! Não me canso de dizer que te revelas um dos nossos grandes escritores contemporâneos.

  5. Bom dia amigo Z.Figueira, Há anos que vivo no Brasil e fui colega da sua falecida irmã Veronica e me lembro de você ainda piquininho.Mas uma coisa nada tem a ver com outra
    Pois sou grande apreciador das suas lindas estórias que exercem um efeito bastante dinamico em toda a nossa diáspora. Tanto a sua escrita como o seu estilo se tornaram excelentes e inconfudíveise que viva a Alma Crioula.Abraços Elisio

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.