Mindelenses estão com a selecção: Tubarões Azuis ficam na memória pelo seu feito inédito

2/02/2013 23:43 - Modificado em 2/02/2013 23:49

Na ilha de São Vicente, a eliminação de Cabo Verde do Campeonato Africano das Nações não caiu no agrado dos são vicentinos. Os cidadãos que assistiram ao jogo entre Cabo Verde e o Gana atribuíram a derrota dos Tubarões Azuis a forma tendenciosa como a equipa de arbitragem dirigiu a partida. Os são vicentinos mostraram o seu apoio para com a selecção cabo-verdiana, e defenderam que Cabo Verde teve uma excelente participação no CAN, apesar do seu sonho ser travado pelos erros de um árbitro e por um guarda-redes fenomenal.

 

A selecção cabo-verdiana de futebol não desiludiu os cabo-verdianos que desejava a passagem para as meias-finais. Os Tubarões Azuis defrontaram o Gana, uma das melhores selecções africanas da actualidade, mas que teve dificuldades para travar a selecção de Cabo Verde que manteve a mesma imagem deixada nos jogos da primeira fase, onde a coesão e concentração valeram o passaporte para os quartos-de-final.

Cabo Verde impôs respeito ao adversário, que jogou na contenção para tentar levar o perigo a baliza de Vozinha. Mas a verdade é que o Gana sem fazer um jogo de qualidade conseguiu eliminar os Tubarões Azuis que cruzaram mares e apoiados por uma grande nação fizeram uma excelente campanha na sua participação histórica no CAN 2013, onde vários países guardam na sua memória o nome de Cabo Verde.

Com o apito final do árbitro RajindraparsadSeechurn, a comitiva dos Tubarões Azuis que representou Cabo Verde na prova se reuniu para enaltecer a boa prestação deixada nos quatros jogos. Por sua vez, os mindelenses preservaram o seu espírito de apoio a selecção e com camisolas, cachecóis e bandeiras empunhadas agradeceram aos Tubarões Azuis pela alegria que deram ao país ao conseguirem a sua primeira qualificação e pela forma como exibiram os seus créditos na CAN.

 

Agradecimentos

Manuel Ramos sublinha que “Foi um momento que fica guardado na memória da nação cabo-verdiana, porque os jogadores e o staff técnico nos deram a oportunidade de viver esse momento. Não passamos as meias-finais, mas quando olho para a prestação dos Tubarões Azuis digo que o importante é que a nossa selecção impôs o seu futebol e conseguimos bons resultados”.

Por sua vez, Larrisa Andrade e Rony Almeida defendem que os jogadores não desiludiram os cabo-verdianos, porque respeitaram a táctica do seleccionador Lúcio Antunes e sem acusarem pressão passaram a segunda fase com mérito. “Chegamos aos quartos-de-final e perante uma das melhores selecções de Africa fizemos o que nos competia e os jogadores têm que estar com a cabeça levantada, porque a equipa arbitragem não esteve a altura de uma fase final de uma competição dessa natureza”.

 

Críticas

Marlon Costa partilha da opinião de Larissa e Rony e acrescenta que “a nossa selecção foi vítima de uma fraude que deve ser investigada porque o árbitro foi tendencioso nas suas decisões. Os erros que cometeu no jogo acabaram por travar o nosso objectivo de chegar a próxima fase, numa partida onde a selecção fez um bom trabalho e mostrou que tinha uma palavra a dizer na prova”.

Irina Sousa assegura que não se deixou abalar pela eliminação, porque os jogadores de Cabo Verde jogaram com a mesma filosofia táctica, e como todo o apoio dos cabo-verdianos foi difícil ultrapassar algumas barreiras. “A aventura da selecção da CAN foi maravilhosa, mas hoje encontramos pela frente um guarda-redes de classe mundial que deu tudo de si para manter a sua baliza impermeável. Mas por outro lado nãos podemos deixar que a equipa de arbitragem fique imune de culpas nessa derrota”.

  1. Lela Veneno junior

    Ò menins fui um grand participassao de Cabo Verde, ma ness jogo contra Ghana,fica a nota dum grand esforsso,e a certeza de ke kel guarda redes DE GHANA È MÀS FEI KE BANA!!!!… 100000 VEZ!!!!!….

  2. Carlos Silva - Ralão

    Estou muito satisfeito pela prestação da nossa seleção. Infelizmente, como em qualquer parte do mundo, a máfia sempre atropela o desempenho. Eu já estava a espera desde a primeira fase o apito amigo dos juizes, aliás a própria FIFA que é das instituições desportivas mais corruptas do mundo, que não tem qualquer tipo de credibilidade, aqui em África não seria diferente. A luta contra os grandes e principalmente corruptos e criminosos é árdua e longa, mas nunca impossível.

  3. A SELECÇÃO DO GANA NÃO FEZ PERIGO NA BALIZA DO VOZINHA, NÃO REMATOU NEM UMA ÚNICA VEZ, A DEFESA CABOVERDEANA DAVA PARA AS ENCOMENDA, E A SELECÇÃO DO GANA ESTAVA METIDO DENTRO DE UMA TEIA, SEM FIO DE JOGO SEM NADA, PORQUE A NOSSA SELECÇÃO SEMPRE FOI SUPERIOR.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.