Mais de cem mortos com mãos atadas e tiros na cabeça encontrados em vala comum na Síria

30/01/2013 01:07 - Modificado em 30/01/2013 01:07
| Comentários fechados em Mais de cem mortos com mãos atadas e tiros na cabeça encontrados em vala comum na Síria

Eram pelo menos 108 corpos, encontrados numa vala comum em Alepo, no Norte da Síria. Segundo o grupo de oposição Observatório Sírio dos Direitos Humanos, que denunciou o “novo massacre”, poderão ser mais.

 

Imagens colocadas online por activistas mostravam corpos enlameados, perto de um pequeno rio, junto a um bairro de Alepo. Muitos tinham as mãos amarradas. As imagens eram chocantes. Filas de corpos inchados da água, os crânios rebentados, com sangue e terra e lama em volta. Estimava-se que houvesse ainda mais cadáveres dentro de água.

 

Muitos eram apenas adolescentes, segundo um capitão do Exército Livre, que luta contra o regime de Bashar al-Assad.

 

Os corpos iam sendo colocados junto à água. Foram-se juntando pessoas para ver os mortos antes de serem levados, procurando familiares ou amigos.

 

“O meu irmão desapareceu há semanas quando estava a atravessar a zona controlada pelo Governo, e nunca mais soubemos o que lhe aconteceu”, explicava Mohammed Abdul Aziz à AFP enquanto ia olhando para cada um dos cadáveres.

 

Alepo é um grande centro industrial e a maior cidade da Síria. Tal como a capital, Damasco, esteve durante muito tempo poupada à guerra civil no país. Mas desde Julho está dividida entre as forças do Governo e forças rebeldes.

 

As forças do Governo e as milícias que operam em seu nome têm sido acusadas de massacres no país, uma acusação também feita às forças que combatem o regime. O conflito fez, segundo a ONU, mais de 60 mil mortos.

 

Os activistas que lutam contra Assad acusam as forças do regime por este último massacre. O Governo já veio acusar “terroristas” – o termo com que classifica os insurrectos – pelas mortes.

 

 

 

cm.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.