Arrancou o campeonato regional de basquetebol em São Vicente

28/01/2013 02:36 - Modificado em 28/01/2013 02:36

Arrancou este fim-de-semana o campeonato regional de basquetebol em São Vicente. A Académica, campeã em título, apanhou um tremendo susto frente ao estreante, Mindel Vets, mas acabou por vencer o jogo. Os Cruzeiros não sentiram dificuldades em vencer os também estreantes, Real Sociedade, enquanto o Progresso levou a melhor sobre os Tigers.

O jogo de desataque desta jornada de abertura colocou frente-a-frente o campeão e a equipa dos Mindel Vets, liderados pelo internacional, Rodrigo Mascarenhas. A equipa da Académica foi a primeira a marcar os pontos mais viram ultrapassados pelos Vets. A equipa liderada por Kula fez um primeiro período abaixo do esperado. Isto muito por culpa da boa organização do adversário que soube estar no jogo. A equipa da Académica venceu a primeira parte por 28-24.

Ao entrar no último período com oito pontos de vantagem (42-34) a equipa espera resolver o encontro. Apostou no contra-ataque e com os Vets a perderem algumas bolas no ataque, Jason a capitalizar os erros do adversário. No fim o placar marcava 62-44 a favor da Académica.

O Progresso venceu os Tigers por 46-38. Num jogo equilibrado e de pontuação baixa as equipas tiveram dificuldades em encontrar o seu jogo. Tigers liderou os dois períodos inicias terminando a primeira parte com uma vantagem de dois pontos (17-15). Na segunda parte um Progresso com mais vontade deu volta ao marcador conseguindo chegar a vitória no último período.

No jogo inaugural do campeonato os Cruzeiros fizeram prevalecer o seu favoritismo no jogo vencendo por um expressivo 62-37.

  1. Criolo

    E assim vai-se sobrevivendo no basket, esperando dias melhores. Á CMSV, à gestão do polidesportivo de Oeiras, e a mais quem possa interessar, uma pergunta: graças ao gosto pela camisola, o basket vai indo, mas a preço de ouro, uma hora de treino no polidesportivo a 700.00?? Uma exploração. Sem iluminação, os balneários imundos, o placard já era (obrigado Kula), quem sobrevive. Tantas vezes o Rêpê foi feito para pagar o campo, tanta era a fominha…

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.