MP investiga falsificação de cartões-passe

20/01/2013 23:06 - Modificado em 20/01/2013 23:06
| Comentários fechados em MP investiga falsificação de cartões-passe

O Ministério Público vai determinar a realização de uma investigação criminal para apurar a veracidade de uma denúncia segundo a qual, há cidadãos a falsificar os cartões-passe para o transporte público na ilha de São Vicente. Segundo o que apurámos, o MP tem sob averiguação dois estudantes do Departamento de Engenharia e Ciências do Mar da UNI-CV que podem vir a sentar-se no banco dos réus acusados de um crime de burla ou de falsificação de documentos.

 

No mês de Dezembro, a Transcor, empresa de transporte público recebeu uma denúncia que havia pessoas a andar nos autocarros da empresa com cartões-passe falsificados. Isto é, que alguns passageiros recorriam ao método do digitalizador para falsificar os passes originais e que havia quem trocasse a fotografia existente no passe aproveitando o frágil controlo dos agentes de revisão e dos condutores.

 

A Transcor acabou por descobrir que estava a ser vítima de um esquema de falsificação de cartões-passe e que as suspeitas recaíram na sua maioria sobre estudantes do Departamento de Engenharia e Ciências do Mar da UNI-CV, na Ribeira de Julião.

 

O caso foi entregue à Brigada de Investigação Criminal que acabou por identificar dois estudantes do DECM que estavam na posse de cartões-passe que continham irregularidades. Os dois jovens foram inquiridos pela BIC e assumiram parte da culpa, mas disseram que há outras pessoas envolvidas no esquema.

 

Findas as diligências, a BIC enviou o processo para o Ministério Público para que esta instância judicial providencie o processo de instrução. Este online apurou que “vai-se agora apurar a veracidade dos factos e identificar todos os indivíduos que participaram nesse esquema que por lei constituiu um crime. Há que combater a ilegalidade, por isso, quem se envolveu no esquema terá de ir a julgamento e explicar a razão dessa prática e ser punido consoante a culpa”.

 

Acusação

 

Por agora, o Ministério Público está a trabalhar no processo de instrução para que num período de quatro meses, com os factos que forem averiguados, deduzir a acusação contra os cidadãos identificados como suspeitos de andarem de “borla” nos autocarros através de cartões-passe adulterados e ordenar que sejam submetidos a julgamento.

 

Mas é certo que a dedução do crime vai depender da interpretação dos actos cometidos pelo suspeito, uma vez que a acção pode configurar num crime de burla ou de falsificação de documentos.

 

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.