Combatentes cabo-verdianos na Guiné: “A nossa afirmação e autoridade derivaram da nossa atitude, empenho e lealdade”

20/01/2013 22:57 - Modificado em 20/01/2013 22:57

Durante a sua comunicação no Fórum organizado pela Fundação Amílcar Cabral, Pedro Pires, ex-Presidente da República, falou da participação dos nossos combatentes na guerra colonial contra Portugal. Pires defendeu que “em relação aos combatentes cabo-verdianos, presentes no terreno da luta, o comportamento da maioria foi sério e engajado. Sou um deles. E, para a nossa afirmação social ou intelectual não precisávamos de quaisquer benefícios materiais ou preferenciais.

 

A nossa afirmação, prestígio e autoridade derivaram tão-somente da nossa atitude, empenho e lealdade”. Continuando, admite que havia “uma maior afinidade ideológica e comportamental entre os cabo-verdianos e Amílcar Cabral” e conclui dizendo que isso terá servido para uma maior aproximação e ressalta: “um entendimento muito pessoal: os combatentes cabo-verdianos portaram-se, nas Frentes da Guiné, como autênticos patriotas internacionalistas”.

 

Pires revela campanha contra cabo-verdianos

 

Continuando a falar sobre o papel dos cabo-verdianos na luta de libertação, Pedro Pires revelou uma campanha, que na altura, pretendia confundir os guineenses “no quadro da guerra psicológica, de intoxicação, de diversão e de desinformação, o Comando político-militar colonial montou uma insidiosa campanha contra os funcionários e os cabo-verdianos residentes na Guiné, no intuito cínico e perverso de confundir a opinião guineense, alijar responsabilidades, aliás, históricas, e de tentar transferir para esses cabo-verdianos, logo, para Cabo Verde, as responsabilidades, crimes e desmandos que foram e são da responsabilidade do colonizador e do colonialismo português”.

 

Cabo-verdianos assassinados

 

O PP revela que no decorrer dessa campanha “muitos agricultores e pequenos empresários de origem cabo-verdiana eram assassinados e vários funcionários eram presos e deportados, por envolvimento com o PAIGC. Naquela fúria repressiva, várias personalidades locais de origem cabo-verdiana foram presas, torturadas e deportadas para as masmorras da PIDE em Portugal”.

  1. Pulu - S. Vicente

    Senhor Pires màs amedjor falà de Història, pa mod quilo que bossè dzè sào estòrias do lob mau…. Coraja por favor….

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.