Intervenção de Pedro Pires no Forum Amilcar

20/01/2013 22:49 - Modificado em 20/01/2013 22:49

Publicamos na íntegra o discurso do Comandante Pires no Forum Amilcar Cabral realizado no dia 20 de Janeiro na cidade do Praia .

 

Exmos. Senhores Conferencistas e Moderadores, Senhoras e Senhores

Participantes, Amigas e Amigos,

 

Agradeço-vos pela vossa prestimosa colaboração e pela vossa presença amiga.

 

Entendo, estimadas Amigas e caros Amigos, que este é o tempo e a melhor ocasião para falar no discurso direto sobre o 20 de Janeiro de 1973, mesmo correndo riscos de incompreensão.

 

Confesso-vos que tenho um gozo muito especial em estar, aqui e agora. Sinto-me um afortunado e um privilegiado! Na verdade, decorridos quarenta anos sobre a tragédia que foi o assassinato de Amílcar Cabral e estar presente com saúde e ainda com lucidez e vigor intelectual, numa grande Assembleia, como esta, em que nos reunimos para evocar a memória daquela figura histórica, que era o nosso Líder e nos inspira, ainda hoje, não deixa de ser um grande privilégio.

 

E os meus velhos camaradas, aqui presentes? Como se sentem e o que estarão a pensar? Certamente, partilhamos os mesmos sentimentos de orgulho e de dever cumprido e rememoramos a longa caminhada feita. Afinal, pertencemos a uma geração afortunada que o escritor angolano, Pepetela, nosso contemporâneo, celebrou na sua obra “A Geração da Utopia”.

 

Nós que lá nos encontrávamos, naquele momento, estamos certamente a remorar os factos e a remoer as inquietações, os medos, as angústias, as dúvidas e os sofrimentos que nos afligiam. Mas, a maior das inquietações seria seguramente: como preservar os ganhos, então conseguidos, da luta de libertação? Ou, o que fazer para não perder, sem a liderança de Cabral, a batalha na sua reta final, quando estávamos convencidos de que com ele e sob a sua liderança podíamos ganhar e que a vitória não estaria muito distante?

 

O caminho escolhido e percorrido foi o caminho da superação das nossas capacidades pessoais e das fraquezas íntimas; da união e da comunhão de esforços; da repartição de responsabilidades e da assunção plena dos compromissos morais que nos ligavam ao combate pela libertação nacional.

 

No meu caso, quando a representação da Frente Sul chegou a Conakri, coube-me ficar numa casa de acolhimento, algures em Conakri-II, durante mais de um dia. Fiquei a aguardar a decisão superior, que jamais chegava, que me permitisse juntar aos outros dirigentes que se encontravam hospedados num hotel no centro da cidade. A minha chegada ao hotel e o meu encontro com os outros camaradas e os membros das delegações estrangeiras foram extremamente emotivos. Porém, aquele tratamento desigual não me permitiu ver, na véspera, o corpo de Cabral. Toda a Direção do Partido presente na capital guineense participou nas cerimónias de homenagem que decorreram no Palácio do Povo e no Estádio nacional. Tiveram grandeza comparável às honras oficiais prestadas a um Chefe de Estado ou a um herói nacional desaparecido.

 

O enterro foi uma despedida dilacerante. Desaparecera a figura tutelar insubstituível, na qual nos amparávamos. Pessoalmente, envolveu-me a sensação de um enorme vazio.

 

Revivi, então, um outro momento aflitivo e desafiante, parecido com o que estávamos a presenciar e que ocorrera, cerca de três anos antes: a operação militar portuguesa (Mar Verde) de assalto à capital guineense, acompanhada da tentativa falhada de golpe de Estado e de mudança do regime do Presidente Seco Turé, aliado do PAIGC, cujos objetivos finais incluíam a neutralização da retaguarda de apoio logístico, a destruição das estruturas do PAIGC e o assassinato de seus dirigentes.

 

Apoderou-se do meu espírito, naquele momento, as mesmas interrogações, as mesmas angústias e as mesmas inquietações que antes me tinham atormentado. Como vencer esses contratempos, todos? Seríamos capazes?

 

Aquela cerimónia remeteu-me, ainda, a um outro momento penoso, quando das honras idênticas prestadas ao Kwame N’krumah. E, foi de uma forma digna que Conacri se despedira, com orgulho, dignidade e mágoa, de dois dos maiores combatentes pela causa africana. Ambas as mortes tinham o seu lado trágico e imerecido.

 

As instalações do nosso quartel-general tinham sido colocadas sob o controlo das autoridades guineenses durante algum tempo. Passaram para o controlo da Direção do PAIGC, dias depois, após as exéquias oficiais do nosso Líder. Voltamos à nossa “casa” e assumimos por fim o controlo e a direção do nosso quartel-general.

 

Foi a partir daquela altura que pudemos encarar uns aos outros, olhos nos olhos, e tentar perceber o que cada um pensava e o que cada um sentia. Pessoalmente, interroguei-me sobre o comportamento de um ou de outro, pelo seu desalento, pelo seu ar absorto e esquivo, longe dos acontecimentos, ou pela sua emoção excessiva. Isso chamou a minha atenção.

 

A pergunta que me interpelava insistentemente era: o que aconteceu? Mas, como foi possível? Que tamanha traição! Até hoje sinto-me perante um comportamento estúpido e um ato abominável e criminoso, sobretudo, destituído de sentido e de qualquer perspectiva política.

 

Depois de uma observação atenta daquela situação e de alguma reflexão, ficou-me a perceção de que reinava uma excessiva emoção e desorientação no seio dos dirigentes do Partido presentes e de que era urgente mudar aquele estado das coisas, pois, era preciso recuperar os ânimos e a estabilidade emocional, repor a Secretariado-Geral a funcionar e programar e impulsionar a retomada das atividades políticas e militares nas Frentes.

 

Pressenti riscos de inércia e de bloqueio. Era necessário dar sinal de que estávamos vivos e decididos a prosseguir a luta. Dirigi-me ao Luís Cabral, ao Chico Mendes e ao Nino Vieira, principais dirigentes presentes, e propus-lhes a realização de uma reunião dos membros de CEL para a análise e avaliação da situação e a preparação do prosseguimento das ações políticas e militares, enfim, repor em marcha as estruturas políticas e militares do PAIGC.

 

Fez-se a reunião da CEL proposta e decorreu num clima de muita sinceridade e responsabilidade. Foi gravada para que pudesse ser apresentada, posteriormente, a Aristides Pereira, que se encontrava em tratamento. Durante os debates foi notório o incómodo do Osvaldo Vieira. Conclui a minha intervenção mais ou menos da forma seguinte: “Nenhum de nós está em condições de substituir individualmente o Amílcar e a única forma de o conseguir é cada um de nós assumir uma quota-parte daquilo que lhe competia fazer. Assim, todos juntos, vamos poder superar a sua ausência”. Dessa reunião do CEL saíram orientações para as estruturas do Partido e o apelo ao reforço e intensificação da ação militar e política contra o inimigo. E, por esta via, ficaram relançadas as condições psicológicas para se romper com os riscos de inércia, com a indecisão e com a lamentação, enfim, para se repor em marcha a máquina do PAIGC.

 

Ainda em Conacri, aconteceram dois episódios casuais que me preveniram das minhas novas responsabilidades. O primeiro foi um encontro com a Ana Maria Cabral, em companhia do Vasco Cabral. A Ana Maria convidou-nos para esse encontro na sua residência. Estou em crer que o objetivo era alertar-nos para os riscos existentes e para as responsabilidades pessoais dos dois. Falou connosco, aproximadamente, nos seguintes termos: “vocês os dois têm uma responsabilidade grande nisso; espero que vão fazer tudo para que a nossa luta prossiga e com sucesso”. Foi uma manifestação de confiança e, ao mesmo tempo, de preocupação quanto ao futuro. A nossa resposta foi mais ou menos esta: “Vamos, sim!” Hoje, estamos aqui e eu a Ana Maria. O Vasco já não está entre nós. Note-se que, posteriormente, recebi apelos e manifestações semelhantes de vários outros camaradas guineenses.

 

O segundo encontro foi com o Afonso Gomes, que estava destacado na Marinha do PAIGC, no porto de Conakri, onde os cabo-verdianos passaram por uma situação de alto risco. Esse foi mais dramático e mais interpelante. O Afonso disse-me, mais ou menos, o seguinte: “Vim dizer-te que estamos contigo. Vamos fazer o que decidires: se decidires que a gente abandone o Partido, vamos abandonar; se decidires para ficarmos, também vamos ficar”. Fiquei com a impressão de que estava a transmitir-me uma mensagem coletiva dos cabo-verdianos que estavam na Marinha. Respondi-lhe, da seguinte forma: “Afonso, vamos ficar. Não vamos oferecer esse presente ao nosso inimigo. É isso mesmo que eles gostariam que acontecesse!” O Afonso respondeu-me: “Entendido, vai ser assim!” E, separamo-nos. A nossa amizade e confiança recíprocas ficaram consolidadas para sempre.

 

Apercebi-me na altura de que recaiam sobre mim mais responsabilidades e que havia confiança e esperança na minha pessoa, que tinha que honrar. E, sobrecarregados por maiores responsabilidades, eu e os meus camaradas, regressamos às Frentes de Luta. Acredito que mais motivados a levar avante a luta, a cumprir o compromisso com o nosso Líder então desaparecido tragicamente e, sobretudo, determinados a não falhar. No meu caso, regressei à Frente Sul, em companhia do Comandante Nino Vieira, com a missão do prosseguimento da preparação do cerco de Guiledje. Os resultados finais da operação são conhecidos. Seria fastidioso enumerá-los, aqui e neste momento.

 

Cabral costumava alertar os seus camaradas, e não raras vezes, para os riscos e as consequências nocivas que podiam resultar de erros e de comportamentos inadequados. Dizia então: “A nossa luta no ponto em que se encontra só pode destruída por nós próprios ou com a nossa colaboração, pois, o nosso inimigo já não pode fazê-lo, mesmo que o queira.” Foi o que se verificou com o seu assassinato, em que estivemos mesmo à beira do precipício. Por isso, sinto-me na obrigação de enaltecer, para sempre, o contributo de todos aqueles e aquelas que não permitiram que essa desgraça histórica se concretizasse. Porém, mesmo hoje, não nos libertamos de riscos de regressão nos mais diversos domínios, pois, existem e andam à espreita por todo lado. E é preciso que estejamos atentos aos sinais destes riscos.

 

Retomando o método de análise de Cabral, quando da homenagem a Kwame N’krumah, tentarei apreender as lições negativas e positivas que se pode tirar da tragédia. Mesmo assim, é difícil entender um ato tão vil quanto covarde e ignóbil, despido de qualquer sentido de futuro e utilidade política para a Guiné. Deste ato não é possível deduzir qualquer intenção de servir a luta e o país. Está-se perante uma atitude de pura traição e de venda de consciência!

 

Num rápido olhar sobre a pedagogia e a liderança posta em prática por Amílcar Cabral, apercebe-se de que foi, no decurso do exercício da sua liderança da luta que conduzia, que apreendeu melhor a grande complexidade da realidade societária em que intervinha. Procurou agir no sentido da transformação dessa realidade humana, o que conseguiu em grande medida. Porém, o processo de transformação e de recriação revelou ser longo e bastante complicado. Enquanto líder, foi um verdadeiro pedagogo e procedeu sempre no sentido de fazer crescer com ele os seus colaboradores e companheiros, seja pelo exemplo, seja pela formação, direta e indiretamente. Apelava os seus correligionários ao estudo, à aprendizagem, à apropriação do pensamento crítico e de uma visão estratégica quanto ao futuro da luta. Amílcar Cabral agia, enquanto líder, numa tripla condição: de ator e dirigente político, de investigador e de interventor social.

 

Todavia, verificava-se, na prática, discrepâncias visíveis entre a ética postulada por Cabral e o comportamento quotidiano de vários quadros dirigentes do PAIGC. Outrossim, verificava-se um desnível acentuado de conhecimento, de consciência política e de visão e, ainda, entre as capacidades e qualidades do líder máximo e as capacidades e posturas de uma parte expressiva da Direção, salvo algumas exceções. Faltava-lhes estatura e consciência política que correspondessem às responsabilidades e às exigências decorrentes do estádio avançado de desenvolvimento e dos sucessos da luta de libertação nacional.

 

Colocava-se, então, a questão crucial da qualidade dos homens (da sua consciência política e capacidade de liderança) e das capacidades de estes em entender as características do momento histórico, com suas exigências e necessidades, que não podiam resumir-se meramente às atividades militares. Esta ilação está evidente nas críticas de Cabral dirigidas a comportamentos impróprios de muitos dos seus companheiros. Ora, a situação impunha que estes compreendessem os riscos, os medos, as canseiras e os efeitos perversos das pressões políticas e das intensas campanhas propagandísticas do inimigo, enfim, dos possíveis efeitos da guerra psicológica do inimigo sobre os comportamentos dos combatentes e das populações das regiões libertadas.

 

Fraquezas e falhas graves verificavam-se ao nível dos quadros intermédios , por insuficiente consciência política e por falhas de rigor e omissões na vigilância, no âmbito do exercício das suas respetivas funções.

 

Numa luta política armada daquela natureza, de longa duração e portadora de muitos sacrifícios e de renúncias pessoais, a consciência política é determinante. Pois, intervêm vários fatores adversos, tais como, a saturação e o cansaço físico e moral e podem surgir os riscos de perda de fé e de degenerescência ideológica. Naquelas condições, impunha-se, reforçar a ação política e adotar como forma de estar viver simultaneamente o presente e o futuro. Pois, são precisamente as esperanças do futuro que permitem superar mais facilmente as dificuldades do presente e sobrepor-se àqueles riscos de desencaminho. Em resumo, isso exigia uma forte consciência política. Teria sido um dos dilemas de difícil solução de muitos combatentes no seio do PAIGC. No campo político-militar, após um longo e desgastante período de equilíbrio de forças, com riscos evidentes de deterioração das situações internas, para ambos os lados, tornava-se imperioso o rompimento daquela situação. Do lado do PAIGC, estava em curso as diligências para a obtenção e o emprego dos foguetes antiaéreos SAM, que vieram a ser determinantes no desfecho da guerra.

 

Do lado das autoridades coloniais, estava em curso uma campanha militar desesperada, lançada pelo seu Comando político-militar, na tentativa de reverter a seu favor o estado de equilíbrio militar, portador de muitos riscos, que vinha prevalecendo, apostando na recuperação das regiões libertadas, o que estava a ser muito difícil, conjugada com uma intensa e diversificada campanha sociopolítica demagógica, em torno da chamada Guiné Melhor. O recurso ao assassinato do Líder do PAIGC insere-se na busca de saída para o grave dilema em que vivia o poder colonial, precisamente, quando sentia que estava em vias de perder a guerra, com consequências desastrosas para o futuro do império colonial. Nada melhor do que decapitar o PAIGC, solução experimentada em outras guerras coloniais. Reside aí a razão principal da decisão última de avançar com a operação do assassinato de Amílcar Cabral pelos serviços secretos portugueses e por seus homens-de-mão.

 

Em Novembro de 1970, o Comando político-militar colonial tinha fracassado vergonhosamente na sua tentativa desesperada e vã de provocar a mudança do regime guineense, aliado do PAIGC, e de destruição das instalações de retaguarda do Partido e de simultaneamente perpetrar o assassinato de seus dirigentes. Tinha, igualmente, fracassado numa outra operação secreta, mais perversa, de desmembramento da organização militar do PAIGC, a partir do seu interior, através da infiltração e da corrupção de dirigentes das FARP na Frente Norte. Os três majores dos serviços de informação militar colonial, que conduziam a operação malograda de infiltração e de corrupção de responsáveis militares daquela Frente, caíram numa cilada e foram abatidos. Esses desaires conjugados com os riscos eminentes de um colapso militar e do afundamento do império colonial, obrigaram o poder colonial a ir mais longe na sua miopia política e na sua ação criminosa e recorreu decididamente ao assassinato do Líder do PAIGC.

 

Vale a pena lançar um rápido olhar sobre o lugar do crime. As estruturas em Conacri revelavam ser o elo mais fraco do sistema do PAIGC. Encontravam-se aí concentrados os serviços do Secretariado-Geral, a Escola Piloto, os Armazéns e as Oficinas, bem como, a Prisão. No porto de Conacri, estavam ancoradas as unidades da marinha de guerra e os barcos de transporte de mercadorias. Aquelas instalações eram o ponto de passagem, para entrada e saída, de combatentes e integravam as residências dos responsáveis e dos trabalhadores. O pessoal de serviço não dispunha de rendimento certo, embora, tivesse garantido residência, alimentação e vestuário (os seus elementos faziam requisições no SG e andavam sempre à procura de como conseguir mais dinheiro). Também, encontrava-se presente um certo número de feridos de guerra, entre os quais, muitos inventavam subterfúgios para não voltarem às Frentes de luta. E, ainda, alguns elementos afastados de funções por corrupção e por indícios colaboração com os serviços secretos do inimigo. Foi essa amálgama humana, onde havia de tudo e prevalecia gente de fraca cultura e de baixa preparação política, de que se serviram os serviços secretos coloniais para a preparação e a execução do crime.

 

Tem ainda pertinência caracterizar os principais agentes do crime. Ora, tem sido corrente, nas lutas contra o colonialismo, o recrutamento de ex-presos políticos para traírem a causa libertadora e para realizarem trabalhos sujos contra a sua própria organização e os objetivos políticos de libertação, ao serviço do poder colonial (uma autêntica mentalidade de servidão e de dependência). Neste aspeto, nada houve que já não já fizesse parte do arsenal de métodos conspirativos colonialistas. No caso, os ex-presos políticos e agentes dos serviços secretos portugueses e utilizaram como argumento de convencimento a cobertura falaciosa de heróis que muito teriam sofrido nas masmorras coloniais. Foram seus coautores alguns responsáveis corruptos, castigados por conivência com o inimigo, um ou outro dirigente militar, ferido de guerra, que perdera confiança e fugia ao regresso às frentes e um ou outro dirigente politicamente degenerado e ultrapassado pelo crescimento e pela dinâmica da luta. Outrossim, é preciso ter em mente que as guerras coloniais versus guerras de libertação nacional apresentam várias facetas: a vertente militar, a vertente política, ideológica e psicológica e a vertente subterrânea, de conspiração, de subversão, de desinformação, de intoxicação ideológica, de espionagem, de assassinatos e golpes sujos. Em princípio, todas as guerras são igualmente violentas e cruéis, onde o humanismo é uma raridade, e cujo objetivo fundamental é a busca da vitória, por todos os meios. É neste quadro de guerra, da conspiração e dos métodos criminosos e repressivos coloniais que se deve entender o recurso ao assassinato de Amílcar Cabral. Além disso, não há inimigo altruísta e bondoso. Tentar apresentar isso como argumento de defesa ou de justificação de qualquer atitude de boa-fé é uma desonestidade intelectual e pura falácia. Um dos argumentos de intriga política dos conspiradores e assassinos era que os cabo-verdianos teriam um tratamento privilegiado no seio do PAIGC. Este expediente foi ainda recentemente utilizado por certos homens da pena ao serviço dos restos ideológicos do poder imperial, no intuito de desresponsabilizar e branquear os crimes dos seus Chefes coloniais, convertidos em heróis serôdios. Mas, as nossas referências são antitéticas. E nesta matéria, não há lugar para confusão. Com efeito, no quadro da guerra psicológica, de intoxicação, de diversão e de desinformação, o Comando político-militar colonial montou uma insidiosa campanha contra os funcionários e os cabo-verdianos residentes na Guiné, no intuito cínico e perverso de confundir a opinião guineense, alijar responsabilidades, aliás, históricas, e de tentar transferir para esses cabo-verdianos, logo, para Cabo Verde, as responsabilidades, crimes e desmandos que foram e são da responsabilidade do colonizador e do colonialismo português. Na mesma altura e no âmbito da repressão colonial, muitos agricultores e pequenos empresários de origem cabo-verdiana eram assassinados e vários funcionários eram presos e deportados, por envolvimento com o PAIGC. Naquela fúria repressiva, várias personalidades locais de origem cabo-verdiana foram presas, torturadas e deportadas para as masmorras da PIDE em Portugal.

 

Ainda, em relação aos combatentes cabo-verdianos, presentes no terreno da luta, o comportamento da maioria foi sério e engajado. Sou um deles. E, para a nossa afirmação social ou intelectual não precisávamos de quaisquer benefícios materiais ou preferenciais. A nossa afirmação, prestígio e autoridade derivaram tão-somente da nossa atitude, empenho e lealdade. Até, poderia ter-se verificado uma maior afinidade ideológica e comportamental entre os cabo-verdianos e Amílcar Cabral, o que não deixaria de ser um fator para uma maior aproximação. Ressalto aqui um entendimento muito pessoal: os combatentes cabo-verdianos portaram-se, nas Frentes da Guiné, como autênticos patriotas internacionalistas.

 

No que se refere à temática cultural, a pergunta é: porquê Amílcar Cabral deu tanta atenção à cultura? Estou em crer que a razão reside no facto de ter verificado, no decurso da sua ação de condução da luta, e a nível cultural, manifestações de fatores que relevavam fraquezas e podiam constituir riscos e bloqueios prejudiciais ao desenvolvimento do processo de libertação. Era necessário compreender e interpretá-los.

 

Daí, que se tenha referido a valores negativos e positivos da cultura. Entendo que foi obrigado a fazer a reciclagem do seu pensamento materialista, perante a força de certos fatores culturais, em choque com as suas próprias convicções. De todo modo, era imprescindível estar-se atento às perversões e desvios que pudessem ser provocados por entendimentos insuficientes de ordem cultural. Até teria interesse confrontar essas manifestações de fraqueza com as resistências à mudança e comportamentos que frequentemente criticava. Entendia ainda que a luta de libertação era, ela mesma, portadora de violência cultural. Chamo ainda atenção para a problemática da definição, nas teses de Cabral, de “o que é ou quem é povo”. A necessidade de adequação ou de esclarecimento da abrangência deste conceito teria surgido do facto de ter pensado que na confrontação com o colonialismo se manifestariam dois blocos: o colonialismo, de um lado, e o povo colonizado em peso, do outro lado. Porém, verificou-se que uma parte do povo colonizado estava conivente com o poder colonial. Donde, a necessidade de circunscrever o conceito povo ao “povo em luta” e o conceito unidade, diferente da unanimidade, à “unidade necessária”.

 

Cabral propugnava e observava, enquanto princípios políticos e morais fundamentais, a responsabilização individual e coletiva e a apropriação do pensamento crítico próprio e autónomo (em relação ao pensamento dominante), ao serviço da elaboração e do aperfeiçoamento de uma via libertadora específica.

 

As escolhas políticas e posturas éticas de Amílcar Cabral simbolizam a coerência, a abnegação, o empenho, a lealdade e o sacrifício. Significam o patriotismo e o comprometimento, quer com as opções pessoais, quer com os interesses e aspirações do seu povo. Na sua personalidade juntavam-se o otimismo histórico e uma fé enorme na capacidade reabilitadora das pessoas. A sua ética é a do compromisso voluntário e do dever indefetível para com a libertação, a dignidade e o progresso nacional e africano. Não se satisfazia com o simples discurso anunciador. Comprometia-se agindo em busca de resultados e de soluções. Não se deixava cativar pelas aparências, antes, buscava chegar à essência dos factos. Cultivava o realismo na elaboração e execução dos projetos políticos e das estratégias militares. Outrossim, era dotado de uma enorme intuição política e capacidade de antecipação dos acontecimentos. É esta personalidade ímpar que hoje evocamos. E que nos interpela, igualmente.

 

Este ato evocativo transporta, consigo, uma enorme carga interpelativa. Evocamos uma figura histórica que respondeu ao chamamento do seu tempo e nos deixou um precioso legado político e moral. É precisamente isto que nos vem questionar. Hoje, somos interpelados e convocados a responder aos chamamentos dos tempos presentes, porém, diferentes dos anteriores!

 

Presentemente, a responsabilidade individual de cada um de nós aumenta, cada dia. Ora, não basta alertar e criticar! Torna-se imperioso participar e co-responsabilizar-se, na perspetiva da edificação de uma democracia participativa de diálogo, alargada e cooperativa, e precisamente, quando está evidente que as formas atuais de fazer política e de liderança mundial não satisfazem as exigências nem respondem às necessidades e responsabilidades contemporâneas.

 

É ainda certo que, no continente africano, verificaram-se grandes progressos nos últimos cinquenta anos, embora não tenha sido um processo linear. Este é um momento que se pode considerar de viragem. Com efeito, abriram-se novas oportunidades, que requerem um aproveitamento criterioso, em prol do aprofundamento e do alargamento do processo de libertação e da autonomização política do continente, nos diversos domínios de atividades e de intervenção. Porém, manifestam-se igualmente fenómenos preocupantes, portadores de riscos regressivos, bastante sérios, que reclamam que sejam enfrentados com determinação, lucidez e coerência.

 

Neste momento, as lideranças políticas da África Ocidental e do Norte, em particular, são chamadas a encontrar caminhos e soluções duradouros para os complexos desafios ideológicos e civilizacionais com que os respetivos países estão confrontados. Do meu lado, não antevejo uma coabitação pacífica possível com as práticas retrógradas e um desencontro tão grande de valores e de interpretação dos direitos das pessoas. Antes, vislumbro um conflito grave que opõe a modernidade (não confundir com a modernidade ocidental) ao passadismo religioso, agressivo e refreador do progresso material, social, cultural e científico, a que todos os africanos têm direito.

 

Para o nosso bem comum, somos chamados a empenhar-nos para que vençam os valores universais fundamentais e se afastem de vez o espectro de um eventual triunfo da intolerância cultural, do fanatismo religioso e espírito de cruzada, de sinal contrário, e do retrocesso político.

 

Não é sensato nem judicioso que se esteja a contribuir para o bloqueio do avanço do contente africano e, ainda, para cavar e aprofundar as nossas dependências atuais. Esses desesperados de causa são chamados a mudar de rumo e a adotar uma atitude realista e lúcida de compreensão do mundo contemporâneo. Para além dos demais desafios, que são muitos, este me parece o mais complexo e portador de enormes riscos em relação ao porvir africano de progresso a que aspiramos construir.

 

Vivemos uma conjuntura mundial marcada por enormes incertezas, o que nos convida à reflexão e à análise retrospetiva da caminhada feita, dos nossos erros e défices e dos nossos sucessos e ganhos; e projetar, sobre e a partir deles, um renovado e esperançoso desígnio continental.

 

Outrossim, entendo que, por exemplo, Cabo Verde tem sido e continuará sendo um desafio para o seu povo e para as suas lideranças. Neste sentido, impõe-se às lideranças cabo-verdianas evitar que haja uma avaliação enganadora dos avanços conseguidos e trabalhar sempre com base numa visão prospetiva do futuro mais provável, que espera o país, com as suas enormes oportunidades, bloqueios e desafios. E, como propunha Cabral, a atitude apropriada é: “esperar o melhor e preparar-se para o pior.”

 

Com efeito, precisamos de uma visão partilhada do futuro em que, todos, nos reconheçamos. Desta forma, estaríamos melhor apetrechados e mais disponíveis a fecundar consensos e, logo, melhor apoiados a ser bem-sucedidos. Pois, o desenvolvimento sustentável do país, sem riscos de regressão, que proclamamos, constitui um longo e esforçado processo de crescimento económico e de geração e acumulação de recursos. Só pode ser uma obra de várias gerações, que necessita da garantia de continuidade. Assim, impõe-se às próximas gerações de liderança ter a lucidez e a humildade de buscar, descobrir e realizar esta missão histórica.

 

Aliás, temos por onde nos inspirar: os nossos ganhos sucessivos, desde 1975; e, ultimamente, os feitos inexcedíveis dos nossos basquetebolistas e futebolistas (a quem desejo uma boa campanha na África do Sul), que representam a vitória da nossa Nação, pequena, unida e solidária.

 

Finalmente, felicito e incentivo a Comissão Organizadora do Fórum, encabeçada pela Dra. Cristina Gomes, e todos aquelas e aqueles que se juntaram a ela para a construção do sucesso deste evento. A todas e todos, o nosso muito obrigado!

  1. JOSÉ MARIA NEVES

    JOSÉ MARIA NEVES, AFIRMOU O SEGUINTE”.; “Amilcar Cabra foi assassinado pa dirigentis di PAIGC ; É dirigentes di PAIGC ki trai e qui mata Cabra. É guentis qui ta fla ami é Amilcar Cabral, a mi nta difendi Cabral, qui manda mata Cabral, pamodi intriga, pamodi sedi di puder, pamódi ka respeta escolhas fetu pa Cabral “, portanto não existem duvida que quem matou Amilcar Cabral foi ses Camaradas di PAIGC/CV

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.